Claire Williams fala sobre a discrepância de orçamentos na Fórmula 1

Uma das mais tradicionais escuderias da Fórmula 1, a Williams passa por um momento conturbado. Nos últimos anos, a equipe não tem conseguido desenvolver um carro competitivo, o que se repete na temporada de 2018. O desempenho vai de mal a pior, com Lance Stroll e Sergey Sirotkin raramente passando para o Q2 nos treinos classificatórios.

Em meio a esse contexto, a chefe da equipe Claire Williams não está nada satisfeita e criticou a grande diferença de orçamento de Ferrari, Mercedes e Red Bull em relação ao restante do grid. A filha do fundador da escuderia está no cargo desde 2013. Em 2014, quando foram adotados os motores híbridos, a Williams teve sua melhor atuação dos últimos dez anos, terminando o Mundial de Construtores na terceira colocação. No ano seguinte, o time inglês repetiu o terceiro lugar, mas caiu para quinto em 2016 e 2017.

“Quando comecei, realmente achei que poderíamos ganhar de novo. Agora eu não acredito mais nisso. Nosso esporte está basicamente quebrado. É ingênuo acreditar que, se você simplesmente trabalhar duro, será recompensado. Com exceção das três melhores equipes, ninguém vencerá no futuro”, disparou Claire em entrevista ao jornal Blick.

A dirigente saiu também em defesa do pacote de mudanças previsto para a temporada de 2021 e se disse preocupada com o futuro da equipe caso o Liberty Media não consiga aprovar as alterações. “A discrepância financeira em relação à Ferrari, Mercedes e Red Bull é grande demais. É impossível acompanhar. E é triste. Se os novos donos de Fórmula 1 realmente empurrarem o orçamento de US$ 150 milhões (ceca de 525 milhões de reais) a partir de 2021, poderemos sobreviver”.

Apesar das críticas, Claire admitiu que a equipe não vem fazendo um bom trabalho em 2018, sem nem ter conquistado um ponto seque. “Há equipes com menos dinheiro que estão fazendo um trabalho melhor”, frisou.

A Fórmula 1 desembarca neste fim de semana no Azerbaijão para o quarto Grande Prêmio da temporada. O circuito é a grande esperança da Williams de sair do zero, já que foi justamente nesta pista onde conseguiu seu melhor resultado de 2017, o segundo lugar de Lance Stroll.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *