Copa das Federações: Longo e Serra vencem 3 Horas de Guaporé

Abertura da Copa das Federações teve equipes gaúchas e carioca liderando a prova que reinaugurou autódromo gaúcho

Tal como o clima instável e mutante que reinou na Serra Gaúcha neste sábado de aleluia, a prova 3 Horas de Guaporé foi uma das mais disputadas da modalidade nos últimos tempos. Das 139 voltas que a dupla Chico Longo/Daniel Serra completou no tempo de 3h1m8s036. a dupla paulista dividiu o primeiro lugar com três rivais: a Ferrari F360 dos cariocas Lucas Molo e Anderson Faria, e os protótipos MCR P2 VW de Luciano Mottin e Cláudio Ricci e o MC Tubarão de Tiel de Andrade e Bruno Justo, que terminou em segundo lugar. Dos 20 carros que alinharam no grid 12 chegaram ao final da prova, que começou com pista úmida e terminou em pista seca.

Aqueles que esperavam a uma atuação dominante da dupla Chico Longo e Daniel Serra foi brindado com boas disputas e a liderança marcante dos cariocas Lucas Molo e Anderson Faria. Molo, que já conquistou dois títulos na modalidade, acompanhava o líder Longo nas voltas iniciais e não desperdiçou o erro do líder, que saiu da pista quando freava no final da reta na sexta volta. Com danos apenas na carroceria da máquina italiana, Longo manteve-se na pista, porém seu ritmo ainda mostrava alguma irregularidade. O carioca imprimiu um ritmo forte ao volante da Ferrari da equipe Tekprom, desempenho que era acompanhado de perto pelo protótipo MCR-P2 VW de Luciano Mottin. Aproveitando-se do menor consumo de combustível o gaúcho assumiu a liderança na volta 21, então seguido pelo protótipo MC Tubarão-Audi então comandado por Bruno Justo.

A liderança dos gaúchos durou 12 voltas, quando Molo reassumiu a liderança, na passagem de número 34. Tudo indicava que a Ferrari dos cariocas iria se impor quando praticamente na metade da prova – volta 68 -, o GT de Maranello parou no acostamento interno da reta de largada com a caixa de câmbio quebrada:

“Foi uma pena. O câmbio vinha dando algum sinal de desgaste, mas eu acreditava que daria para chegar ao fim”, declarou um desolado Molo ao final da prova. Apesar do abandono, o carioca e seu companheiro de equipe Anderson Faria deixaram claro que a briga pelo título é um objetivo real para a dupla comandada por Murilo Pilotto. Um problema com as rodas traseiras, porém, estragou a festa dos jovens de Campo Bom, cidade localizada a 50 km da capital gaúcha. No primeiro turno de Tiel de Andrade a suspensão traseira começou a vibrar, mas um reaperto nos cubos rápidos de ambas amenizou o problema temporariamente. Quando Justo reassumiu o volante o problema voltou mais forte e somente após a troca da roda traseira esquerda o inconveniente foi sanado, ainda que ao custo de perder três posições.

Com essa parada Daniel Serra, então ao comando da Ferrari número 1 já era líder e o mais veloz da pista e não economizava material. Por questão de décimos ele não conseguiu estabelecer um novo recorde oficial para a pista gaúcha, marca que segue em poder de Bruno Junqueira, com 1m6s418, tempo bem próximo à melhor volta de Serrinha – 1m6s518.

Outros destaques da prova foram a atuação consistente do trio Pierre Ventura/ Gustavo Martins e Felipe Toledo e a boa disputa entre o Ford Fusion de Toso/Mezzomo/Vilson Jr.e a BMW M3 GT3 de Visconte/Landi.

Depois do susto Longo declara amor a Guaporé

Prestes a subir ao lugar mais alto do pódio o empresário e piloto paulista Chico Longo não escondia que a saída de pista no início da prova serviu para colocar “ordem na casa”, como ele mesmo explicava:

“Eu freei um pouco tarde demais, o piso estava úmido e dei uma encostada de leve na barreira de pneus… Depois disso, na minha segunda tocada, estava mais calmo e descobri que Guaporé já está entre minhas pistas favoritas, ao lado de Tarumã e de Interlagos. Interlagos é mais técnico, mas aqui você tem que usar técnica e ter peito para completas os 3.080 metros da pista.”
Ao seu lado Daniel Serra vencia sua timidez aparente e também elogiava Guaporé, pista que ele e Longo conheceram neste final de semana:

“É um traçado gostoso e a pista tem muito grip. Na corrida correu tudo bem, apesar do susto que o Chico deu na gente. No final a estratégia da nossa equipe acabou dando certo e começamos o ano com o pé direito.”
Resultados

1) Chico Longo/Daniel Serra (SP/SP), Ferrari F430 GT2, Cat. I, 139 voltas em 3h1m8s036, média de 141,810 km/h.
2) Tiel de Andrade/Bruno Justo (RS/RS), MC Tubarão Audi turbo, Cat. I, 133 voltas
3) Beto Ribeiro/Nilson Cintra (MS/MS), MXR Ford Duratec, Cat. II 16V, 130 voltas
4) Anderson Tozzo/Vitor Mezzomo/Vilson Jr. (RS/RS/RS), Ford Fusion, Cat. III, 128 voltas
5) Henry Visconde/Ricardo Landi (SP/SP), BMW M1 GTR, Cat. III, 125 voltas
6) Fernando Poeta/ Carlos Steyer/Alexandre Silveira (RS/RS/RS), Ferrari F430, Cat. I, 125 voltas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *