Copa Montana: Verdadeiro show de batidas na 2ª etapa

Os dois carros da Accelera RC3 Júnior foram ‘abatidos’ por adversários.

A 2ª etapa da Copa Chevrolet Montana, disputada neste domingo (2 de maio) na inauguração do Velopark, Rio Grande do Sul, lembrou muito provas de “Demolitons Cars”, onde os menos batidos ou menos destruídos levam a melhor no final. A corrida vencida por Ítalo Silveira teve 90% dos carros avariados no fim dos 40 minutos de corrida. Toques, batidas, encostadas e o safety car foram os principais ‘personagens’ da prova. Os carros da equipe Accelera RC3 Júnior foram alvos de pilotos afoitos e não conseguiram terminar a prova na zona de pontos. Eduardo Bassani, engenheiro da equipe, lamentou a corrida. “Impressionante o numero de batidas e toques que aconteceram. Até mesmo os primeiros colocados, que normalmente não se envolvem com toques, desta vez exageraram. O numero de carros batidos e destruídos no fim da corrida mostrava como foi a batalha. Nossos dois pilotos foram ‘alvejados’ nesta etapa”, comentou Bassani.
 
O primeiro a ter a corrida prejudicada foi Denis Navarro. Ainda na primeira volta ele foi atingido por trás por Marcelo Tomasoni e acabou rodando. A batida foi tão forte que furou o pneu traseiro da sua pickup Montana. Ele recolheu para os boxes, trocou o pneu avariado e continuou na prova, mas já sem esperanças de conquistar pontos. “A minha corrida acabou na primeira volta. Fui atingido por trás e tive que ir para os boxes para reparos. Para não se envolver neste tipo de acidente é preciso largar lá na frente. Porém, nesta corrida até os ponteiros se enroscaram. Vamos torcer para que no Rio de Janeiro as disputas voltem ao ‘normal’”, disse Navarro.
 
Aldo Piedade Júnior largou em 11º e mesmo assim não conseguiu escapar de toques. Com um bom ritmo no inicio, ele mantinha uma posição confortável na corrida. Foi quando na parte final da prova os toques começaram a ficar mais fortes. Depois de muitos esbarrões, na última volta ele foi atingido com muita força por um adversário e acabou jogado no muro. Sua pickup ficou muito avariada. Quando o carro foi recolhido para os boxes era possível observar as marcas de outros carros em toda a pintura. “Fiquei muito impressionado. Recebi toques de todos os lados. Os pilotos têm que colocar na cabeça que estas disputas não só trazem prejuízo material como também pode machucar. Até mesmo quem bateu na minha lateral veio falar comigo achando que eu estava errado. Meu carro ficou muito avariado e terá que ser reconstruído para a etapa do Rio de Janeiro”, comentou Júnior.
 
A próxima etapa da Copa Chevrolet Montana acontece no dia 23 de maio no Autódromo de Jacarepaguá, Rio de Janeiro.
 
Resultado da prova: (15 primeiros)
1) 31 Ítalo Silveira, 40:20.542
2) 6 Diogo Pachenki, 40:21.298 
3) 21 Lucas Finger, 40:22.483 
4) 9 Eduardo Leite, 40:22.654
5) 17 Serafim Jr, 40:23.515
6) 8 Douglas Soares, 40:28.338
7) 1 Cadu Pasetti, 40:29.291 
8) 98 Marcelo Tomasoni, 40:31.499 
9) 28 Galid Osman, 40:32.056 
10) 60 Sérgio Ramalho, 40:34.617 
11) 30 Alceu Feldmann, 40:37.384 
12) 29 Anderson Faria, 40:40.757 
13) 16 Carlos Kray, 40:41.617 
14) 38 Thiago Penido , 40:42.484
15) 75 Henrique Assunção, 40:43.901

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *