Desafio: regulamento “apimenta” competição com Pré-final e Final

Charmosa e emocionante, prova noturna disputada no sábado agora definirá posições de largada. “Ficou mais importante e decisiva para o título”, diz Massa

Com o objetivo de aumentar ainda mais a emoção do Desafio Internacional das Estrelas, a organização da prova anunciou mudanças importantes no regulamento. A principal delas fará a prova noturna do sábado (11/1) definir o grid de largada da corrida decisiva, disputada no domingo. A corrida noturna passa, assim, a não mais contar pontos, assumindo o papel de Pré-Final para a prova principal, batizada de Final – quando será conhecido o campeão.

Esta alteração influenciará diretamente no histórico do evento: em oito edições disputadas, sete dos vencedores da corrida do sábado conquistaram o título. Contudo, esta alteração em nada altera a emoção da corrida noturna: “Vencer a Pré-Final não contará mais pontos, mas continua a ser fundamental”, diz Felipe Massa, idealizador do evento, que em janeiro chegará à sua nona edição. “Em um grid com pilotos de tanta qualidade, ultrapassar sempre é difícil e pode comprometer tanto seus tempos de volta quanto sua estratégia e perspectiva de corrida. Então, a briga pela pole será ainda mais importante e decisiva”, observa o piloto de Fórmula 1.

Segundo ele, também vale destacar o cenário da prova disputada à noite. “Uma corrida noturna tem sempre um charme especial. No nosso caso, competimos com a luz da lua e de holofotes, sempre com arquibancadas cheias e o Parque Beto Carrero como cenário ao fundo. Para quem gosta de corridas, é algo que marca a memória. É diversão garantida em um cenário agradável e acolhedor”, conclui Massa.

Sobre o Desafio das Estrelas – Marcada para acontecer entre os dias 10, 11 e 12 de janeiro no Kartódromo do Beto Carrero World, em Penha (SC), a nona edição do Desafio Internacional das Estrelas é realizada pela RM Eventos e pela XYZ Live.

Campeões – Daniel Serra (Brasil, 2005), Felipe Massa (Brasil, 2006), Michael Schumacher (Alemanha, 2007 e 2009), Rubens Barrichello (Brasil, 2008), Lucas di Grassi (Brasil, 2010) e Jaime Alguersuari (Espanha, 2011), Jules Bianchi (França, 2012 e 2013).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *