F-São Paulo: Estreantes e “figurões” dividem a pista nos treinos livres

Paulista Vinícius Serafim e capixaba Dieckle Icklis chegam à categoria-escola em um momento de recuperação dos torneios de base no país. E nos primeiros treinos, tiveram a companhia de dois pilotos que viveram os primeiros passos da F-SP no país: Filipe Forti e Carlos Iaconelli.

Não é todo dia que um piloto estreante no automobilismo têm a chance de dividir a pista com nomes que disputarão a Stock Car ou, mais raro ainda, a Fórmula 2. Pois foi dessa oportunidade que os novatos da Fórmula São Paulo puderam desfrutar nesta semana, durante os treinos livres para a rodada de abertura da temporada 2009.

 

Novatos como o paulista Vinícius Serafim e capixaba Dieckle Icklis treinaram nesta semana ao lado do futuro piloto da Copa Vicar Filipe Forti, e do ex-piloto da GP2 e já confirmado competidor da Fórmula 2, Carlos Iaconelli – que estiveram na pista realizando ensaios de rotina e, mesmo tendo deixado a Fórmula São Paulo há mais de cinco anos, continuam entusiastas da categoria.

 

“Apesar da grande diferença de potência do Fórmula São Paulo para o GP2 ou mesmo o Fórmula 2, sempre que posso venho treinar”, disse Iaconelli. “A categoria é ótima para manter os reflexos em dia e, também, o preparo físico. Dei cerca de 15 voltas e procurei, também, ajudar a equipe no acerto para este fim de semana”, acrescentou ele.

 

A primeira prova do calendário da Fórmula São Paulo será realizada neste domingo (15) no Autódromo de Interlagos e, como de costume, traz um grid quase todo formado por pilotos novatos na competição. Os estreantes aproveitaram os três dias de treinos característicos da categoria para tomar os primeiros contatos com os carros, e em dois deles puderam medir forças com pilotos mais experientes no automobilismo.

 

É o caso de Vinícius Serafim, que no ano passado sagrou-se vice-campeão do Campeonato Super Paulista de Kart. Em seu primeiro contato com um monoposto, Serafim se surpreendeu com a técnica exigida pelos carros da categoria. Os chassis, embora sejam inspirados em um projeto antigo, são novos e neste ano passarão a receber uma carenagem mais moderna e aerodinâmica a partir da segunda corrida do ano.

 

“É uma sensação única”, frisou ele. “Você imagina uma coisa e, quando chega aqui, vê que a categoria é tudo aquilo e mais um pouco. O kart me deu uma boa experiência, mas um monoposto é muito diferente, e com certeza um estreante sente a responsabilidade. Felizmente a Fórmula São Paulo é uma categoria que permite muitos treinos, e por isso tive toda a semana para me acostumar com o equipamento”, declarou Serafim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *