F1: Chris Amon falece aos 73 anos

O neozelandês Chris Amon, que entre 1963 e 1976 disputou 96 GPs de F-1, faleceu nesta quarta-feira, vitima de câncer, aos 73 anos

Christopher Arthur Amon competiu na F-1 de 1963 (GP Bélgica, com um Lola MK4 da Reg Parnell Racing) até 1976 (GP Canadá com um Williams FW05 da Walter Wolf Racing), conquistando onze pódios (três segundos e oito terceiros), cinco pole-positions e três melhores voltas. Em 1967 terminou o campeonato na quinta posição.

Competiu pela Reg Parnell Racing, McLaren, Cooper, Ferrari (entre 1967 e 1969), March, Matra, Tecno, Tyrrell, Amon Racing, BRM, Ensign e Walter Wolf Racing.

Amon também se aventurou como dono de equipe, e construtor. O Amon AF101 foi um fracasso, conseguindo alinhar apenas duas vez no grid, nos GP da Espanha e Mônaco de 1974.

Considerado um dos pilotos mais azarados da história da F-1, nunca conseguiu vencer um GP, abandonando diversas vezes, enquanto liderava.

Em provas extracampeonato de F-1, muito comuns até a década de 1970, Amon venceu o International Trophy de 1970, com um March, e o GP da Argentina de 1971, com um Matra.

Em 1966 venceu a 24 Horas de Le Mans, dividindo um Ford GT40, com o compatriota Bruce McLaren.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *