F1: Com suíços, antiga BMW pode virar Sauber-Ferrari em 2010

A empreitada da fábrica de Hinwill na Fórmula 1 deve mesmo seguir comandada pelas mãos de Peter Sauber. Embora ainda não tenha assinado contrato com a companhia suíça Qadbak Investments, compradora do espólio da BMW, o dirigente tem tudo para ser o chefe da nova equipe, que já especula utilizar motores Ferrari a partir de 2010.

Integrante da Fórmula 1 desde 1993, Sauber manteve um time independente em Hinwill até 2006, quando vendeu parte de suas ações para a BMW. A parceria com a montadora até foi bem-sucedida, sendo que Robert Kubica chegou a lutar pelo Mundial no ano passado, porém acabou devido ao fim das atividades dos alemães.

O futuro do histórico empresário no esporte esteve em dúvida até esta terça-feira, quando finalmente alguém se interessou pela compra da fábrica: o Qadbak Investments, que segundo a revista portuguesa Autohoje fechou o negócio por 80 milhões de euros (R$ 212 mi).

“Eu assegurei aos investidores que ficaria à disposição, e se eles me quiserem como chefe de equipe, exercerei essa função”, afirmou Sauber ao jornal suíço Blick, explicando que o assunto será decidido em uma reunião marcada para a semana que vem.

No novo projeto, que ainda depende da aprovação da FIA (Federação Internacional de Automobilismo) para garantir uma vaga na Fórmula 1, o dirigente pode voltar a ver seus carros equipados por motores Ferrari, como aconteceu entre 1997 e 2005. Uma decisão sobre a eventual parceria, que levaria à escuderia a se chamar Sauber-Ferrari, também sairá nos próximos dias, conforme revelou.

Já estudando o futuro, ele só não conseguiu explicar quem são os investidores que formam o Qadbak Investments. “Tudo o que posso dizer é que o grupo possui empresas no mundo todo e quer utilizar a F-1 como plataforma de negócios”, limitou-se a dizer. De acordo com a Autohoje, já se sabe que os suíços representam algumas famílias na Europa e Médio Oriente e têm participação no futebol, sendo proprietários do Notts County, time da quarta divisão inglesa cujo diretor é o sueco Sven-Göran Eriksson.

Fonte: Gazeta Esportiva.Net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *