F1: De ponta a ponta, Nico Rosberg vence GP da Austrália

O alemão Nico Rosberg (Mercedes) venceu neste domingo (16/03), o GP da Austrália, em Melbourne, etapa de abertura da temporada. Foi a quarta vitória de Rosberg na categoria. O australiano Daniel Ricciardo (Red Bull) e o estreante dinamarquês Kevin Magnussen (McLaren) completaram o pódio.

Saindo da terceira posição do grid, Rosberg assumiu a ponta logo na largada, seguido por Ricciardo e Hamilton.

Antes da primeira curva, o japonês Kamui Kobayashi (Caterham) literalmente atropelou o brasileiro Felipe Massa (Williams). Fim de prova inesperado para Massa, que estreava pela Williams e tinha a expectativa de fazer uma excelente prova.

“Se ele não frear na placa de 50 metros ele não conseguirá frear mais”, declarou Massa claramente irritado por ser tirado previamente da prova. “Espero que a FIA investigue e puna o Kobayashi, pois isso não pode acontecer”, finalizou.

Pelas redes sociais, o japonês pediu desculpas.  “O erro foi todo meu, gostaria de pedir desculpas ao Felipe (Massa) e também a todos os membros da minha equipe Caterham”, disse o japonês.    Após a prova, uma vistoria na Caterham feita pela FIA, verificou um defeito no carro do japonês, teve as rodas traseiras travadas. Livrando Kobayashi de uma punição.

Com problemas em seus carros, logo nas primeiras voltas, Hamilton e o tetracampeão Sebastian Vettel (Red Bull) abandonaram. Vettel vinha de nove vitórias seguidas na F-1, recorde na categoria.

O finlandês Valtteri Bottas (Williams) fazendo uma ótima prova (da 15ª para a 6ª posição), deu um toque no muro da curva dez, na 11ª volta,  perdeu o pneu traseiro direito, mas conseguiu evitar que a suspensão fosse avariada. O Safety-Car foi acionado e os pilotos então aproveitaram para fazer o primeiro pit stop. Bottas foi para os boxes, colocou um novo pneu e retornou a prova.

Após a relargada, Rosberg manteve a ponta, não sendo ameaçado em momento algum. Ele recebeu a bandeirada com 24s525 de vantagem sobre Ricciardo. O australiano segurou a pressão de Magnussen nas voltas finais, para delírio do público.

Estreando na F-1, Magnussen se tornou o primeiro dinamarquês a subir ao pódio na história da categoria. Seu pai, Jan foi o primeiro de seu país a pontuar (sexto no GP Canadá de 1998). A McLaren não conquistava um pódio desde o terceiro lugar de Button no GP do Brasil de 2012.

Rosberg venceu na Austrália, 29 anos após seu pai, o finlandês Keke Rosberg, numa Williams, vencer o primeiro GP Australiano, disputado em Adelaide.

O britânico Jenson Button (McLaren) foi quarto, seguido pelo espanhol Fernando Alonso (Ferrari). Um dos grandes nomes da prova, Bottas recebeu a bandeirada em sexto.

O alemão Nico Hulkenberg (Force India) foi o sétimo, seguido pelo finlandês Kimi Raikkonen (Ferrari). O francês Jean-Eric Vergne e o estreante russo Daniil Kvyat, parceiros na Toro Rosso, fecharam a zona de pontos. Kvyat se tornou o mais jovem piloto a pontuar em um GP de F-1, aos 19 anos e 324 dias.

O mexicano Sergio Pérez (Force India), a dupla da Sauber, o alemão Adrian Sutil e o mexicano Esteban Gutierrez, a dupla da Marussia, o britânico Max Chilton e o francês Jules Bianchi, completaram os quinze que receberam a bandeirada. Com oito voltas de atraso Bianchi (que parou no grid, causando o aborto da primeira largada) não foi classificado.

Primeiro sueco a disputar um GP de F-1 desde 1991, Marcus Ericsson (Caterham) abandonou na 27ª volta. Um ano após vencer na Austrália, a Lotus decepcionou. Andando no fim do pelotão, o venezuelano Pastor Maldonado e o francês Romain Grosjean abandonaram.

Após a prova, o Red Bull de Ricciardo foi desclassificado na vistoria técnica. Segundo a FIA, o carro do australiano “excedeu o consistentemente” o limite de fluxo de combustível de 100kg/h. A Red Bull já avisou que irá apelar da decisão.

Com isso, Magnussen e Button dividem o pódio com Rosberg. Alonso passou para quarto, seguido por Bottas, Hulkenberg, Raikkonen, Vergne, Kvyat e Pérez, que entra na zona de pontos.

A FIA também investigou as causas da batida entre Kobayashi e Massa. E inocentou o japonês ao encontrar um problema no freio do Caterham.     

A próxima etapa, o GP da Malásia, acontece no dia 30 de março.

Final:

1. Nico Rosberg ALE Mercedes-Mercedes 57 voltas em 1h32m58s710
2. Kevin Magnussen DIN McLaren-Mercedes  + 00m26s7
3. Jenson Button GBR McLaren-Mercedes + 00m30s0
4. Fernando Alonso ESP Ferrari-Ferrari + 00m35s2
5. Valtteri Bottas FIN Williams-Mercedes + 00m47s6
6. Nico Hulkenberg ALE Force India-Mercedes + 00m50s7
7. Kimi Raikkonen FIN Ferrari-Ferrari+ 00m57s6
8. Jean-Eric Vergne FRA Toro Rosso-Renault + 01m00s4
9. Daniil Kvyat RUS Toro Rosso-Renault  + 01m03s5
10. Sergio Perez MEX Force India-Mercedes+ 01m25s9
11. Adrian Sutil ALE Sauber-Ferrari + 1 volta
12. Esteban Gutierrez MEX Sauber-Ferrari + 1 volta
13. Max Chilton  GBR Marussia-Ferrari + 2 voltas
14. Jules Bianchi FRA Marussia-Ferrari + 8 voltas

Abandonos:

Romain Grosjean FRA Lotus-Renault 43 voltas
Pastor Maldonado VEN Lotus-Renault 29 voltas
Marcus Ericsson SUE Caterham-Renault 27 voltas
Sebastian Vettel ALE Red Bull-Renault 4 voltas
Lewis Hamilton GBR Mercedes-Mercedes 3 voltas
Felipe Massa BRA Williams-Mercedes 0 voltas
Kamui Kobayashi JAP Caterham-Renault 0 voltas

Desclassificado:

2. Daniel Ricciardo AUS Red Bull-Renault + 00m24s5

Volta mais rápida:
Nico Rosberg ALE Mercedes-Mercedes 1m32s478 na volta 19

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *