F1: Di Grassi segue aproveitando oportunidades para trabalhar o carro

Brasileiro foi o segundo que mais andou na primeira sessão de treinos livres, mas problema em sensor o deixou confinado nos boxes durante o segundo treino.

Lucas Di Grassi (Clear, Eurobike, Sorocred, Schioppa, Locaweb) iniciou o seu segundo final de semana em um Grande Prêmio de Fórmula 1 da maneira planejada. Na primeira sessão de treinos livres para o GP da Austrália, segunda etapa da temporada, o brasileiro completou o segundo maior número de voltas entre os 24 pilotos que entraram no circuito do Albert Park, em Melbourne.

Foram 25 giros – um a menos do que o finlandês Heikki Kovalainen, da Lotus, e que o alemão Nico Hulkenberg, da Williams -, a melhor delas em 1min32s831, tempo que lhe rendeu a 21ª posição do primeiro ensaio, ainda pela manhã no horário australiano. Depois de uma temporada de testes na qual pouco pôde testar o carro da equipe Virgin Racing, Lucas tem tentado explorar os treinos dos GPs para ajudar a aperfeiçoar o equipamento e também para aprimorar seu conhecimento sobre as reações do bólido.

A segunda sessão do dia, no entanto, não correu como o esperado, e Di Grassi completou apenas duas voltas de instalação, não chegando a marcar tempo. “Hoje foi uma mistura de uma ótima sessão pela manhã e alguns probleminhas durante a tarde. No primeiro treino eu me preocupei em coletar as primeiras impressões do traçado e tudo correu conforme o planejado. Já na segunda sessão tivemos uma falha em um sensor do carro e perdi o restante da tarde. Não é a situação perfeita em um final de semana em uma pista em que nunca competi antes, mas vamos manter o foco e trabalhar duro, resolver o problema e ir para a pista amanhã”

Nick Wirth, diretor técnico da Virgin Racing, detalhou o que aconteceu com o carro do brasileiro durante a segunda sessão. “A manhã correu muito bem com Lucas. O objetivo era testar o carro e dar a ele várias voltas para que conhecesse melhor o equipamento – o que conseguimos com sucesso. Durante a tarde ele teve um problema com o sensor que passa os dados para a telemetria no box. Não é possível colocar o carro na pista sem esta peça, por isso tivemos de trocá-la. Tentamos sair no final da sessão, mas infelizmente já estava no fim do treino”, explicou.

À zero hora deste sábado (horário de Brasília) acontece o terceiro e último treino livre, o que dará a Lucas mais uma oportunidade de acertar o VR-01 equipado com motor Cosworth e pneus Bridgestone. Às 3 horas acontece o treino classificatório, com transmissão ao vivo pela TV Globo. No domingo (28), também às 3 horas, acontece a largada para o GP da Austrália, segunda etapa do Mundial de Fórmula 1.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *