F1: Fernando Alonso vence GP da Inglaterra

O espanhol Fernando Alonso (Ferrari) venceu neste domingo (10/07), o GP da Inglaterra, em Silverstone, 9ª etapa da temporada. Foi a primeira vitória de Alonso no ano e 27ª na categoria. O alemão Sebastian Vettel e o australiano Mark Webber, ambos da Red Bull, completaram o pódio.

Pouco antes da largada, uma chuva deixou a pista bem molhada em alguns pontos, com todos os pilotos alinhando com pneus intermediários. Pole Vettel manteve a ponta na largada, seguido por Webber e Alonso. O britânico Jenson Button (McLaren) passou o brasileiro Felipe Massa (Ferrari) pela 4ª posição.

No final da primeira volta Massa recuperou a quarta posição. Na volta seguinte o britânico Lewis Hamilton (McLaren), de 10º no grid, já era o 5º, ao ultrapassar o parceiro de equipe Button. Com problemas na caixa de marchas, o finlandês Heikki Kovalainen (Lotus) foi o primeiro a abandonar, na 3ª volta.

Na 5ª volta a direção de prova liberou o uso da asa traseira móvel (DRS). Na 9ª volta o japonês Kamui Kobayashi (Sauber) rodou depois de ser tocado pelo alemão Michael Schumacher (Mercedes). Kobayashi continuou na pista com Schumacher indo para os boxes, trocar o bico de carro. Na 10ª volta o italiano Jarno Trulli (Lotus) abandonou, com perda de óleo.

Com a pista secando começaram as paradas nos boxes, para a troca dos pneus intermediários para os slicks. Vettel fez a sua parada na 14ª volta, retornando na liderança. Hamilton superou Alonso, assumindo o 3º lugar.

Na 17ª volta Schumacher entrou nos boxes, para cumprir um stop and go, pela batida com Kobayashi. Três voltas depois o japonês cumpriria um stop and go de dez segundos, por deixar os pits de forma insegura, quase provocando um acidente.

Alonso recuperou a 3ª posição na 24ª volta, ao passar Hamilton. Com o carro soltando fumaça Kobayashi abandonou na 25ª volta. Duas voltas depois o suíço Sébastien Buemi (Toro Rosso), abandonou com pneu traseiro esquerdo estourado, depois de um toque com o escocês Paul di Resta (Force India), que teve que a asa dianteira.

Vettel e Alonso pararam juntos nos boxes, com a Red Bull cometendo o seu primeiro erro no ano. O macaco traseiro deu defeito, com o mecânico tendo que buscar outro, e Vettel perdendo muito tempo nos pits, voltando a pista atrás de Alonso e Hamilton.

Alonso rapidamente abriu vantagem, aproveitando que Hamilton, mais lento, segurava Vettel, que resolveu antecipar a segunda parada nos boxes, entrando na 37ª volta. 

Com pista livre Vettel conseguiu ganhar a posição de Hamilton, que deixou os boxes, na volta seguinte, atrás do alemão.

Na 40ª volta Alonso parou pela segunda vez, junto com Button. Na saída dos pits o campeão de 2009 ficou parado. O parafuso da roda dianteira direita não foi encaixado, com o pneu se soltando. Era o fim de prova para Button.

Na 41ª volta Hamilton passou Massa pelo 3º lugar, com o brasileiro entrando nos boxes logo depois.  Contudo o britânico foi informado pela equipe, via rádio, de que precisava diminuir o ritmo para economizar combustível.

Sem ter como se defender Hamilton foi facilmente superado por Webber na 45ª volta. Webber então foi para cima de Vettel, colando na traseira do alemão. Faltando cinco voltas para o final a Red Bull mandou a dupla manter as posições, para evitar um choque (como no GP da Turquia de 2010).

Alonso venceu com 16s1 de vantagem sobre Vettel, que recebeu a bandeirada 0s436 a frente de Webber. Fo ia primeira vitória de Ferrari desde o GP da Coréia do Sul, em 2010, com Alonso.

Massa e Hamilton duelavam pela 4ª posição. Na penúltima curva o brasileiro mergulhou para passar o McLaren, com os carros se tocando. Massa deu uma escapada da pista na última curva, com Hamilton cruzando em 4º.

 O alemão Nico Rosberg (Mercedes) foi o 6º, com o mexicano Sergio Perez (Sauber) na 7ª posição (ambos com a estratégia de duas paradas). O alemão Nick Heidfeld (Renault) foi o 8º. Schumacher e o espanhol Jaime Alguersuari (Toro Rosso) fecharam a zona de pontos.

O brasileiro Rubens Barrichello (Williams) foi o 13º. O estreante australiano Daniel Ricciardo (Hispania) terminou na 19ª posição.

Nesta prova vigorou a nova regra dos difusores soprados, a principal arma da Red Bull. A exceção dos motores Mercedes, que tiveram a permissão de usarem 20% da potência produzia pelos difusores, todas as demais passaram a utilizar apenas 10%. Antes do próximo GP, na Alemanha, novas reuniões irão decidir se a regra continua, ou se teremos novas alterações.

Vettel lidera o campeonato com 204 pontos, 80 a mais do que Webber. Alonso é o 3º com 102.

A próxima etapa O GP da Alemanha, em Nurburgring, acontece no dia 14 de Julho.

Final:

1º. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), 52 voltas em 1h28min41s196
2º. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull-Renault), a 16s5
3º. Mark Webber (AUS/Red Bull-Renault), a 16s9
4º. Lewis Hamilton (ING/McLaren-Mercedes), a 28s9
5º. Felipe Massa (BRA/Ferrari), a 29s0
6º. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 1min00s6
7º. Sergio Pérez (MEX/Sauber-Ferrari), a 1min05s5
8º. Nick Heidfeld (ALE/Lotus Renault), a 1min15s5
9º. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), a 1min17s9
10º. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso-Ferrari), a 1min19s1
11º. Adrian Sutil (ALE/Force India-Mercedes), a 1min19s7
12º. Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault), a 1min20s6
13º. Rubens Barrichello (BRA/Williams-Cosworth), a 1 volta
14º. Pastor Maldonado (VEN/Williams-Cosworth), a 1 volta
15º. Paul di Resta (ESC/Force India-Mercedes), a 1 volta
16º. Timo Glock (ALE/Marussia Virgin-Cosworth), a 2 voltas
17º. Jérôme D’Ambrosio (BEL/Marussia Virgin-Cosworth), a 2 voltas
18º. Vitantonio Liuzzi (ITA/Hispania-Cosworth), a 2 voltas
19º. Daniel Ricciardo (AUS/Hispania-Cosworth), a 3 voltas

Não terminaram:

Jenson Button (ING/McLaren-Mercedes), 39 voltas
Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso-Ferrari), 25 voltas
Kamui Kobayashi (JAP/Sauber-Ferrari), 23 voltas
Jarno Trulli (ITA/Team Lotus-Renault), 10 voltas
Heikki Kovalainen (FIN/Team Lotus-Renault), 2 voltas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *