F1: Jenson Button vence GP do Japão. Sebastian Vettel, em 3º, é bi-campeão

O britânico Jenson Button (McLaren) venceu neste domingo (09/10), o GP do Japão, em Suzuka, 15ª etapa da temporada. Foi a 3ª vitória de Button no ano. O espanhol Fernando Alonso (Ferrari) foi o 2º, com o alemão Sebastian Vettel (Red Bull) em 3º. Com o resultado Vettel sagrou-se bi-campeão com quatro provas de antecedência.

Vettel alinhou na
pole-position precisando de apenas um ponto. Na largada o alemão defendeu a
posição fechando Button, que acabou indo para grama. Com isso seu parceiro de
equipe e compatriota, Lewis Hamilton, assumiu a segunda posição. A dupla da
dupla da Ferrari, o espanhol Fernando Alonso e o brasileiro Felipe Massa, e o
australiano Mark Webber (Red Bull) completavam seis primeiros.

A direção de prova
anunciou que o incidente seria investigado. Porém nenhuma ação foi tomada.

Na 6ª volta Alonso
superou Massa, na primeira curva. Com um furo no pneu traseiro direito Hamilton
teve que entrar nos boxes logo na 8ª volta. Ele perdeu duas posições, para
Alonso e Massa.

Na 10ª volta Vettel
parou pela primeira vez nos boxes, voltando em 6º. Button, Alonso, Webber
entraram na seguinte, com Massa assumindo a ponta por uma volta. Na 12ª volta o
suíço Sebastien Buemi (Toro Rosso) abandonou, depois que o pneu dianteiro
direito se soltou. Vettel manteve a ponta, com 2s5 de vantagem sobre Button.

Na 16ª volta o
brasileiro Bruno Senna (Renault), que havia alinhado em 9º, mas perdido muitas
posições na largada, fez um pit stop lento. Isso eliminou de vez as chances de
terminar nos pontos.

Vettel parou nos
boxes, pela segunda vez, na 20ª volta. Na seguinte, Button, que nas voltas
anteriores tinha diminuído a diferença para Vettel para menos de 1s5, foi para
os pits. O campeão de 2009 retornou a pista logo à frente do alemão. Com a
parada de Alonso, na 22ª volta, Button assumiu a liderança.

Disputando a 4ª
posição, Massa e Hamilton se tocaram; com ambos os carros sofrendo pequenas
avarias. Na sequência Hamilton entrou nos boxes. O toque também foi
investigado, mas desta vez os dois (que já se enroscaram diversas vezes no ano)
saíram ilesos.
 

Duas voltas depois o
safety-car foi acionado, devido a pedaços da Ferrari e da McLaren espalhados
pela pista. A relargada aconteceu na 27ª volta. Button manteve aponta, seguido
por Vettel, Alonso, Webber, Massa e Hamilton.

Na 34ª volta Vettel
parou pela 3ª vez nos boxes, trocando os pneus para os médios. Três voltas
depois Button fez a última parada, também trocando os pneus para os médios.
Alonso liderou mais uma volta, parando na 38ª volta. O espanhol voltou à frente
de Vettel. Na volta anterior Hamilton passou Massa, na primeira curva.

Ainda precisando fazer
mais uma parada, o alemão Michael Schumacher (Mercedes) assumiu a liderança.
Desde a etapa japonesa de 2006, o heptacampeão não liderava uma corrida. Na 40ª
volta Schumacher entrou nos boxes, com Button reassumindo a ponta.

Faltando menos de dez
voltas Button tinha 4s8 de vantagem sobre Alonso. Vettel era o 3º, seguido por
Webber, Hamilton, Schumacher, Massa e o mexicano Sergio Perez (Sauber), que
tinha a estratégia de apenas duas paradas.

Alonso ainda diminuiu a vantagem
de Button, para apenas um segundo nas voltas finais. Contudo o britânico
respondeu, marcando a melhor volta da prova na penúltima passagem.

Uma intensa disputa entre
cinco carros, pelas 9ª e 10ª posições, movimentou as últimas voltas, com
diversas trocas de posições. O russo Vitaly Petrov (Renault) e o alemão Nico
Rosberg (Mercedes), que teve problemas no treino classificatório e largou na
penúltima posição, ficaram com os pontos derradeiros.

Senna terminou na 16ª
posição, seguido pelo compatriota Rubens Barrichello (Williams).

Vettel se tornou, aos 24 anos, três meses e seis dias, o mais jovem piloto a ser bi-campeão da Fórmula-1. Ele soma 324
pontos.

Button, com 210
pontos, Alonso, com 202 e Webber, com 194, disputam o vice-campeonato nas
quatro provas restantes.

A próxima etapa, o GP
da Coreia do Sul, acontece no dia 16 de outubro.

Final:

1º – Jenson Button (GBR) McLaren-Mercedes – 1h30m53s427
2º – Fernando Alonso (ESP) Ferrari – a 1s160
3º – Sebastian Vettel (ALE) Red Bull-Renault – a 2s006
4º – Mark Webber (AUS) Red Bull-Renault – a 8s071
5º – Lewis Hamilton (ING) McLaren-Mercedes – a 24s268
6º – Michael Schumacher (ALE) Mercedes – a 27s120
7º – Felipe Massa (BRA) Ferrari – a 28s240
8º – Sergio Perez (MEX) Sauber-Ferrari – a 39s377
9º – Vitaly Petrov (RUS) Renault – a 42s607
10º – Nico Rosberg (ALE) Mercedes – a 44s322
11º – Adrian Sutil (ALE) Force India-Mercedes – a 54s447
12º – Paul di Resta (ESC) Force India-Mercedes – a 1m02s326
13º – Kamui Kobayashi (JAP) Sauber-Ferrari – a 1m03s705
14º – Pastor Maldonado (VEN) Williams-Cosworth – a 1m04s194
15º – Jaime Alguersuari (ESP) Toro Rosso-Ferrari – a 1m06s623
16º – Bruno Senna (BRA) Renault – a 1m12s628
17º – Rubens Barrichello (BRA) Williams-Cosworth – a 1m14s191

18º – Heikki Kovalainen (FIN) Lotus-Renault – a 1m27s824
19º – Jarno Trulli (ITA) Lotus-Renault – a 1m36s140
20º – Timo Glock (ALE) Marussia Virgin-Cosworth – a duas voltas
21º – Jerome d’Ambrosio (BEL) Marussia Virgin-Cosworth – a duas voltas
22º – Daniel Ricciardo (AUS) HRT-Cosworth – a duas voltas
23º – Vitantonio Liuzzi (ITA) HRT-Cosworth – a três voltas

ABANDONO
Sebastien Buemi (SUI) Toro Rosso-Ferrari – 11 voltas/roda solta

VOLTA MAIS RÁPIDA
Jenson Button (GBR) McLaren-Mercedes – 1m36s568, na 52

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *