F1: Jornal diz que Coughlan divulgou informações

Neste sábado (14), o jornal “la Repubblica” publicou que o ex-projetista-chefe da McLaren, Mike Coughlan, afirmou durante seu depoimento ajuramentado no processo que enfrenta contra a Ferrari – por roubo de informações técnicas – que alguns de seus colegas no time inglês tiveram conhecimento do dossiê que continha dados confidenciais dos rivais de Maranello.


De acordo com o diário, Coughlan somente aceitou cooperar porque a Ferrari garantiu que não irá repassar às autoridades italianas – que também investigam o caso – as informações obtidas.

A publicação também afirma que somente a equipe italiana e a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) detêm o depoimento do ex-chefe de design. Nem mesmo a Corte de Londres teve acesso ao que depôs o britânico.

O “la Repubblica” confirma que o ex-engenheiro do time prateado, de fato, declarou que tinha em seu poder os desenhos técnicos e os documentos internos ferraristas. Coughlan também revelou que mostrou o material para vários membros do time de Woking, e não apenas a Jonathan Neale, como foi divulgado anteriormente.

No entanto, Mike admitiu que todos que obtiveram as informações o advertiram e sugeriram que destruísse os papéis.

A reportagem do “la Repubblica” também informa que o ex-funcionário de Ron Dennis não confirmou que recebeu o dossiê de 780 páginas de Nigel Stepney e disse que o material foi entregue por meio de um serviço de correio.

O advogado do time de Felipe Massa, Massimiliano Maestretti, declarou à RAI– televisão italiana – que permanece a dúvida como Mike Coughlan conseguiu e usou os dados obtidos de forma ilegal. “Nós não sabemos que função teve Jonathan Neale nisso tudo”, disse. “Mas já sabemos que ele (Neale) viu os documentos”, falou Maestretti. “A McLaren declarou que o dossiê foi entregue no fim de abril, mas já temos prova que foi mais tarde, em maio”, concluiu.

A escuderia de Ron Dennis foi convocada para um encontro com o Conselho Mundial de Automobilismo da FIA, onde responderá perguntas relativas ao escândalo de espionagem envolvendo Mike Coughlan. Contudo, a equipe também já declarou que não usou as informações ilegais e que condena tal atitude.

Depois de uma investigação realizada pela entidade, o time poderá ser enquadrado no Artigo 151C do Código Desportivo Internacional, que incrimina “qualquer conduta fraudulenta ou prejudicial aos interesses de qualquer competidor ou do esporte a motor em geral”.

Fonte: Warm up

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *