F1: Sebastian Vettel vence GP da Índia

O alemão Sebastian Vettel (Red Bull) venceu neste domingo (30/10), o GP da Índia, no circuito de Buddh, em Nova Délhi, 17ª etapa da temporada. Foi a 11ª vitória e Vettel no ano. O britânico Jenson Button (McLaren) e o espanhol Fernando Alonso (Ferrari) completaram o pódio da primeira prova de F-1 disputada na Índia.

Pole-position Vettel manteve a largada, com Button assumindo a segunda posição na primeira curva. Alonso freou muito dentro, escapou da pista, e Webber manteve a terceira posição.

No meio do pelotão as duas Williams, do brasileiro Rubens Barrichello e do venezuelano Pastor Maldonado, se tocaram. Barrichello foi para cima do japonês Kamui Kobayashi (Sauber), que acabou no caminho do alemão Timo Glock (Virgin). Na curva três o italiano Jarno Trulli (Lotus) foi tocado por um carro da Hispania, e rodou.

Kobayashi abandonou, com Barrichello indo para os boxes, trocar o bico do carro. Na 4ª volta Glock abandonou.    

Com cinco voltas disputada Vettel já tinha quatro segundos de vantagem sobre Button, que era pressionado por Webber. Alonso era o 4º, seguido pelo parceiro na Ferrari, o brasileiro Felipe Massa.

Na 9ª volta o espanhol Jaime Alguersuari (Toro Rosso) passou o brasileiro Bruno Senna (Renault) pela 10ª posição. Senna, com problemas no KERS, começou a ser pressionado por Maldonado. Contudo cinco voltas depois, a caixa de marchas do Williams quebrou, com Maldonado abandonando.

Na 17ª volta os ponteiros começaram a entrar nos boxes, para a troca de pneus. Webber, Alonso e o britânico Lewis Hamilton (McLaren) entraram juntos. Na seguinte foi a vez de Massa.

Button parou na 19ª volta, uma antes de Vettel. O alemão entrou e saiu na liderança, com três segundos de vantagem sobre Button.

Massa e Hamilton passaram a duelar pela 5ª posição. Na 24ª volta o britânico, usando a Asa Traseira Móvel, partiu para a ultrapassagem na curva cinco. Massa não tirou o pé, fechou o rival, e para variar, os dois se tocaram, mas continuaram na prova. Na sequência, Hamilton foi para os boxes, trocar o bico do carro, caindo para 9º. O incidente passou a ser investigado pelos comissários da prova (o britânico Johnny Herbert foi o ex-piloto convidado para atuar no GP).

Andando na zona de pontos, o suíço Sébastien Buemi (Toro Rosso), abandonou na 26ª volta, com o motor estourado.

Foi anunciado que Massa teria que fazer um drive-through, devido à batida com Hamilton. Logo depois de pagar a punição, na 31ª volta, Massa retornou aos boxes, para trocar o bico do carro, que balançava muito.

Três voltas depois, Massa quebrou a suspensão dianteira esquerda, após passar por uma zebra. No classificatório de sábado o piloto também quebrou uma suspensão pelo mesmo motivo.

Na 38ª volta, Webber foi o primeiro a trocar os pneus macios pelos duros. Duas voltas depois Alonso fez o mesmo, ganhando a posição do australiano no retorno a pista.

Faltando vinte voltas para o final, Vettel tinha 5s3 de vantagem sobre Button. Alonso era o 3º, seguido por Webber e a dupla alemã da Mercedes, Nico Rosberg e Michael Schumacher.

Button novamente entrou nos boxes uma volta antes de Vettel, na 47ª volta. Ambos trocaram os pneus para os duros, com Button sendo mais rápido e diminuindo a diferença para 2s8.

Na 50ª volta Webber deu uma escapada da pista, retornando sem problemas. Na volta seguinte, Schumacher foi para os boxes, voltando à pista a frente de Rosberg. Com apenas uma parada nos boxes, Senna vinha em 10º lugar.

Com várias voltas rápidas em sequência, Vettel voltou a ter mais de cinco segundos de vantagem sobre Button.

Na 58ª volta Senna foi para os boxes, para como manda o regulamento, colocar os pneus duros. Voltou em 12º.

De ponta a ponta, Vettel venceu com 8s4 de vantagem sobre Button. Na última volta Vettel marcou a melhor volta da prova, 1m27s2.

Alonso fechou o pódio. Webber foi o 4º, seguido por Schumacher e Rosberg. Hamilton recuperou duas posições, sendo o 7º colocado. O espanhol Jaime Alguersuari (Toro Rosso), o aelmao Adrian Sutil (Force India) e o mexicano Sergio Perez (Sauber) fecharam a zona de pontos. Senna foi o 12º e Barrichello o 15º.

Já bi-campeão antecipado, Vettel soma 374 pontos. Button, com 240, Alonso, 227, Webber, 221 e Hamilton, com 202, lutam pelo vice-campeonato nas duas provas finais.

A próxima etapa acontece em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, no dia 13 de novembro. 

Final:

1. Sebastian Vettel (ALE/Red Bull), 1h30min35s002
2. Jenson Button (ING/McLaren), a 8s433
3. Fernando Alonso (ESP/Ferrari), a 24s301
4. Mark Webber (AUS/Red Bull), a 25s529
5. Michael Schumacher (ALE/Mercedes), a 1min05s421
6. Nico Rosberg (ALE/Mercedes), a 1min06s851
7. Lewis Hamilton (ING/McLaren), a 1min24s183
8. Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso), a uma volta
9. Adrian Sutil (ALE/Force Índia), a uma volta
10. Sergio Pérez (MEX/Sauber), a uma volta
11. Vitaly Petrov (RUS/Lotus Renault), a uma volta
12. Bruno Senna (BRA/Lotus Renault), a uma volta
13. Paul Di Resta (ESC/Force India), a uma volta
14. Heikki Kovalainen (FIN/Team Lotus), a duas voltas
15. Rubens Barrichello (BRA/Williams), a duas voltas
16. Jérome D’Ambrosio (BEL/Marussia Virgin), a duas voltas
17. Nairain Karthikeyan (IND/Hispania), a três voltas
18. Daniel Ricciardo (AUS/Hispania), a três voltas
19. Jarno Trulli (ITA/Team Lotus), a quatro voltas

Não completaram:

Felipe Massa (BRA/Ferrari)
Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso)
Pastor Maldonado (VEN/Williams)
Timo Glock (ALE/Marussia Virgin)
Kamui Kobayashi (JAP/Sauber)

Foto:  Site oficial da Red Bull

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *