F1: temporada europeia começa com os pneus P Zero Amarelo e P Zero Laranja

A Fórmula 1 volta à Barcelona, que recebeu dois dos testes pré-temporada de 2015. Mas, desta vez, o clima será bem mais quente, aumentando ainda mais a demanda sobre os pneus. Com curvas de alta e o asfalto mais abrasivo do ano, o P Zero Laranja duro e o P Zero Branco médio formam a escolha ideal para o GP da Espanha, onde a GP 2 e a GP3 também competem com pneus Pirelli.

Paul Hembery, diretor de motorsport da Pirelli: “A Espanha é obviamente um dos destinos mais familiares para nós, uma vez que já há muitos dados coletados durante os testes. Uma das coisas que já observamos é que este ano Barcelona mais uma vez será um circuito limitado pelos pneus dianteiros. No ano passado, o incremento de tração e torque dos carros fez com que, pela primeira vez, esta corrida fosse limitada pelos pneus traseiros, com a vida útil deles ditando a estratégia de pit stops. Graças aos aprimoramentos que fizemos na construção dos pneus traseiros para este ano, Barcelona volta a ser um circuito limitado pela dianteira. Entretanto, não esperamos que isso signifique que necessariamente haja mais pit stops este ano. No ano passado, a maioria dos pilotos usou uma estratégia de duas paradas e esse provavelmente será o caso novamente. O fator desconhecido será o clima. Já vimos Barcelona com temperaturas bem quentes, mas isso nem sempre acontece. O início da temporada europeia geralmente é marcado por muitas equipes trazendo importantes atualizações. Será interessante ver como essas mudanças vão interagir com os nossos pneus de 2015.”

O grande desafio para os pneus

Controlar o uso e a degradação é o maior desafio, uma vez que Montmeló é um circuito que exige muito dos pneus devido as longas curvas de alta e muitas mudanças de direção repentinas. Particularmente, o lado esquerdo do carro sofre mais, com a ação de forças laterais que são as segundas mais fortes de toda a temporada. O pneu dianteiro esquerdo é o mais exigido.

Os carros correm com alta pressão aerodinâmica em Barcelona, com o objetivo de ficarem colados na pista durante as curvas de alta. Essa força para baixo no carro aumenta ainda mais a carga sobre os pneus. Como resultado desses fatores, a temperatura do piso pode chagar a picos de 130º C.

Oito das 10 últimas corridas na Espanha foram vencidas pelo pole position, sendo que apenas uma foi vencida por um piloto que não largou da primeira fila. Isso reforça a diferença que a estratégia pode fazer em um circuito que todas as equipes conhecem bem, onde as corridas são sempre apertadas.

A Pirelli também levará pneus da GP2 e da GP3 para a Espanha, bem como pneus para os dois dias de testes após o GP, na terça e na quarta-feira. Isso significa que cerca de 4 mil pneus serão levados para Barcelona, conduzidos por uma frota de 14 caminhões, incluindo o que é usado como unidade de hospitality da Pirelli.

Estratégia do ano passado e como a corrida foi ganha

No ano passado, os três primeiros colocados usaram uma estratégia com duas paradas. O melhor colocado entre os que fizeram três paradas foi Sebastian Vettel, que ficou em quarto lugar com sua Red Bull. Ele havia largado da 15ª posição do grid. O piloto da Mercedes Lewis Hamilton venceu seu companheiro de equipe Nico Rosberg com uma estratégia médio-médio-duro. Rosberg tentou outro tipo de estratégia com duas paradas: médio-duro-médio.

Expectativa de diferença de performance entre os dois compostos: 0s8 a 1s2 segundos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *