F3 Sulamericana: Categoria vai à veloz Tarumã com sua nova geração

Com apenas quatro ‘veteranos’, categoria visita circuito que possui, tecnicamente, características de um oval. Por isso, seu traçado é muito veloz – e respeitado. Volante fica na posição neutra apenas uma vez por volta.

Com a maioria de seu grid composta por pilotos novatos, o Campeonato Sul-Americano de Fórmula 3 disputa no próximo fim de semana a segunda rodada dupla da temporada no veloz circuito gaúcho de Tarumã. A pista, que possui 3.016 metros de extensão, é um desenho que reúne diversas características técnicas presentes em uma pista oval.

“É um traçado muito rápido, no qual fazemos curvas a mais de 210 km/h”, detalha o goiano Rodolpho Santos (Neo Química/Palu Suisse/Wurth), de 18 anos, um dos pilotos que acelerará pela primeira vez o veloz Dallara F301/Ford-Berta em Tarumã. “Esta pista tem apenas uma curva para a direita. E, unindo grande velocidade e praticamente apenas curvas para um lado só, ela possui as características que nos induzem a fazer o acerto com conceitos utilizados em circuitos ovais. Afinal, nesta pista o volante fica ‘neutro’ (‘reto’) apenas uma vez em toda a volta, na reta dos boxes. Nos demais trechos, estamos sempre fazendo algum tipo de contorno”, continua Rodolpho.

Pneus mais resistentes – Apenas uma informação basta para dar idéia do tipo de desafio apresentado por Tarumã: a Fórmula 3 é a categoria mais veloz da América do Sul. Por isso, no ano passado, as elevadas e constantes velocidades, o piso abrasivo de Tarumã e os grandes índices de força g (padrão que corresponde à força exercida pela gravidade) levaram a fornecedora de pneus, Pirelli, a produzir um composto especial visando eliminar problemas de segurança em carros que transitam a 270 km/h.

“Uma característica importante no traçado gaúcho não é apenas ter velocidades máximas muito altas, mas também – e talvez principalmente – manter o carro nessas velocidades por praticamente toda a volta”, detalha o experiente chefe de equipe Amir Nasr, que dirige o time defendido por Rodolpho Santos e o brasiliense Felipe Guimarães. “Em uma situação dessas, a equipe e o piloto são exigimos no máximo de suas competências o tempo todo: concentração, velocidade, raciocínio e reações rápidas, entendimento técnico… Enfim, é todo o pacote de uma boa equipe elevado ao máximo. Então, Tarumã é sempre um desafio à parte na temporada”, continua o dirigente da Amir Nasr Racing. “Nesta pista está a famosa Curva 1 que é, na minha opinião, espetacular”, observa Rodolpho Santos. “Ultrapassar ali é para quem realmente sabe o que está fazendo. É por isso que em Tarumã se diz que essa curva separa os homens dos meninos”.

Classificação da F-3 Sul-Americana após duas etapas:
1)     Clemente Junior, 20 pontos
2)     Fernando Galera, 16
3)     Denis Navarro e Rafael Suzuki, 10
4)     Lucílio Baumer, 6
5)     Ernesto Otero, 5
6)     Willian Starostik, 4
7)     Douglas Soares e Douglas Hiar, 3
8)     Geovane Cerutti, 1

Foto: Luca Bassani/RaceOne

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *