Fórmula E: Senna crê em evolução, mas prevê disputa intensa

Brasileiro tem novo parceiro e reforço na estrutura técnica na abertura da temporada na China

Confiante na nova estrutura da Mahindra Racing, mas consciente de que a disputa ao longo do campeonato deverá ser ainda mais intensa do que na temporada inaugural. Foi com esse espírito que Bruno Senna desembarcou nesta quarta-feira na China, onde o segundo campeonato da Fórmula E será aberto sábado com o E-Prix de Pequim. A capital do país mais populoso do mundo voltará a abrigar a primeira etapa do calendário no circuito de rua montado nas imediações do Ninho do Pássaro, uma das arenas dos Jogos Olímpicos de 2008.

Bruno enfrentou um duro batismo e terminou em 10º lugar no ano de estreia da categoria de carros elétricos da FIA. Depois de um início animador, foi vendo os rivais ganharem terreno graças ao melhor desenvolvimento de um carro marcado pelas inúmeras novidades tecnológicas. Como consequência, a Mahindra Racing trocou a retaguarda técnica da Carlin pela Campos, que levou Nelsinho Piquet à conquista do título. “Trabalhamos muito desde o fim do campeonato. Espero que agora estejamos bem mais competitivos. A Campos tem experiência de campeã e uma filosofia diferente, inovadora”, comentou.

A Mahindra Racing foi um dos destaques dos ensaios de pré-temporada. Mas Bruno lembra que várias equipes enfrentaram dificuldades com o trem de força dos carros – algumas partiram para um conceito totalmente novo. “Nossa vantagem talvez seja a de usar uma evolução do projeto anterior, mas as equipes que tiveram problemas com a confiabilidade certamente vão resolvê-los rapidamente. E, não tenho dúvida, as corridas ficarão cada vez mais duras.” Bruno imagina que o aumento de potência de 150 para 170 kw em condição de prova – uma das mudanças no regulamento – será uma das questões-chave, especialmente nas primeiras etapas. “O risco de superaquecimento das baterias será grande”, alertou. “Também vejo algumas combinações de motor-caixa de câmbio com potencial de problemas”, acrescentou. O carro da Mahindra seguirá com câmbio de quatro marchas.

Cauteloso, Bruno evita fazer previsões a respeito das chances da Mahindra. “A esta altura, quando ainda sequer fizemos a primeira corrida, é impossível apontar favoritos. Mas tomara que estejamos entre eles. Neste fim de semana já teremos uma ideia inicial. No ano passado, todos chegaram aqui em meio a um monte de incertezas e o resultado foi o superaquecimento de vários carros. Com o aprendizado dos traçados e das estratégias, a tendência é de uma prova ainda mais competitiva e acirrada que no ano passado. E isso deve se estender por todo o campeonato.”

A Mahindra trocou o indiano Karun Chandhok por Nick Heidfeld. Bruno já havia trabalhado na Fórmula 1 com o alemão, a quem substituiu na Lotus na segunda metade de 2011. A volta da parceria, imagina, parece promissora. “Nick é um piloto técnico, com muito conhecimento, que está sempre procurando formas diferentes para o acerto do carro e explorando os limites do desenvolvimento. Com o regulamento mais aberto que temos agora, espero que nosso trabalho em conjunto possa nos dar uma vantagem sobre as outras equipes.”

Como parte integrante da proposta da categoria de causar o mínimo possível de inconveniente às cidades visitadas, a programação será desdobrada quase exclusivamente no sábado – a sexta-feira reserva apenas um shakedown e um treino coletivo com 30 minutos de duração cada. Serão dois ensaios livres, respectivamente com 45 e 30 minutos, mais a sessão classificatória com quatro grupos de cinco carros e seis minutos por piloto. Será apenas uma volta voadora com a potência máxima de 200 kw. Os cinco mais velozes voltarão em seguida para decidir na Super Pole quem sairá na frente. A corrida, com largada marcada para as 6 horas (Brasília), terá 26 voltas e será exibida ao vivo pela Fox Sports.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *