Fórmula Renault 3.5 inicia testes com “asa da Fórmula 1”

André Negrão, Yann Cunha e Lucas Foresti fazem dois dias de treinos na França.

Tendo como principal novidade a introdução da asa traseira móvel ao estilo da utilizada na Fórmula 1, a Fórmula Renault 3.5 abre nesta terça-feira os testes de pré-temporada com uma bateria de dois dias de treinos em Paul Ricard, na França. André Negrão (Draco), Yann Cunha  (Pons Racing) e Lucas Foresti (DAMS) são os brasileiros inscritos na categoria, atualmente dividindo com a Fórmula GP2 o status de principal celeiro de jovens revelações à Fórmula 1. A média de idade do grid de 26 pilotos em 2012 é de apenas 21 anos.

André é o único com experiência na Fórmula Renault 3.5 – Cunha e Foresti subiram da Fórmula 3 -, mas lembra que a evolução tecnológica do carro foi de tal ordem que pouca coisa poderá ser aproveitada do ano passado. “O DRS, sistema que permite a mudança do ângulo da asa traseira, é a principal novidade, mas as alterações foram inúmeras. O motor agora é um Renault V8 e não mais V6, com 530 cavalos de potência, a pressão aerodinâmica foi aumentada em 35%, os compostos dos pneus estão mais moles, os freios passaram a ter seis pistões contra os três de 2011 e também teremos o controle de largada”, comparou.
Filho do ex-piloto Guto Negrão e primo de Xandinho, atualmente na Stock Car, André acredita que a Fórmula Renault 3.5 se aproximou tanto da GP2 que a categoria integrante da programação da Fórmula 1 se tornou dispensável. “Os motores da GP2 tem 600 cavalos, ou seja, apenas 70 a mais que os nossos”, lembrou. A avaliação de André parece encontrar ressonância no meio, já que o francês Jules Bianchi, terceiro piloto da Force India e membro do programa de jovens talentos da Ferrari, optou por correr na Fórmula Renault 3.5 ao invés de fazer mais uma temporada na GP2. Da mesma forma, o norte-americano Alexander Rossi, recentemente nomeado reserva da Caterham na Fórmula 1, também disputará o calendário de sete rodadas e 13 corridas, a primeira delas marcada para 5 de maio no circuito de Motoland Aragón, na Espanha.
André está na Europa desde a semana passada. Passou por duas sessões no simulador da Ferrari em Modena e acompanhou os ajustes finais de seu carro (banco e pedaleiras) para os treinos iniciais na pista do sul da França. Ele acredita que a manhã da terça-feira deverá ser reservada apenas à checagem primária dos sistemas do carro, o conhecido “shakedown”. Se nenhuma anomalia for constatada, os ensaios serão acelerados no período da tarde. “Essa, pelo menos, é a previsão. A gente imagina que os trabalhos de acerto só começarão para valer mesmo na quarta-feira”, disse André.
Nos dois dias, os carros poderão entrar na pista das 5h30 às 9 e das 10 às 13 horas (Brasília).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *