GT Brasil: Primeira prova em circuito de rua exige trabalho extra das equipes do Itaipava GT Brasil

Carros dos sonhos passam por preparação especial para o desafio de andar na pista do Anhembi

Pela primeira vez em cinco anos de história, o Itaipava GT Brasil disputará uma etapa em circuito de rua, na pista localizada no complexo do Anhembi. O traçado utiliza o Sambódromo como reta principal e mais 1.500 metros da Marginal Tietê como reta oposta. As características únicas exigem das equipes e pilotos das categorias Itaipava GT3 e Itaipava GT4 um trabalho especial na preparação dos carros dos sonhos para as atividades, que começam neste sábado (30).

A engenheira de pista da equipe Itaipava Racing Team, Rachel Loh, encarregada de cuidar dos dois Lamborghini Gallardo LP 560 dos pilotos Cleber Faria e Vanuê Faria e Renan Guerra, fala sobre o desafio enfrentado pelo time. “Este final de semana em particular será um grande desafio para adaptar esta categoria ao tipo de circuito em que vamos competir pela primeira vez. Principalmente por contarmos com apenas dois dias de atividades de pista”.

Para superar essa dificuldade, a equipe conta com um grande entrosamento entre pilotos e engenheiros. “O entendimento que temos no time será fundamental para que possamos superar estes desafios sem grandes problemas”. Buscando um acerto ideal para uma pista tão diferente do normal, a engenheira, que já trabalhou na Fórmula 1, explica o que será feito nos dois carros. “De cara, vamos começar com altura mais elevada em relação ao solo, usar configuração de asa com maior pressão aerodinâmica e mexer bastante no ajuste de molas e suspensão”, encerra.

Responsável pelo Audi R8 LMS da equipe A. Mattheis, Rodolpho Mattheis levanta um lado diferente da pista do Anhembi, que deve ser levado em consideração: “Este é o circuito de rua mais veloz do mundo. Normalmente os circuitos de rua são muito travados e de baixa velocidade, mas não é o caso deste aqui. Na hora de acertar o carro precisamos trabalhar para garantir boas freadas e que ele tenha ótima tração. Para isso, precisamos de bastante pressão aerodinâmica”.

“Mas com a longa reta da marginal teremos também uma preocupação, que é a relação de marchas do câmbio. Estou um pouco preocupado com os freios e se a nossa relação de câmbio está longa o suficiente para garantir uma boa velocidade nas retas sem acionar o limitador. Tudo indica que estamos no caminho certo, mas vamos ver durante os treinos”, encerra Rodolpho Mattheis. Treinos que, na verdade, abrem a programação da Itaipava São Paulo Indy 300 Nestle, a prova brasileira da Fórmula Indy.

Os carros do Itaipava GT Brasil serão os primeiros a entrar na pista, às 07h15 deste sábado. Será um dia cheio, com duas sessões livres, duas tomadas de tempo e a primeira corrida do fim de semana, marcada para 16h30. Tudo isso nos intervalos da Fórmula Indy. A outra corrida será no domingo (1) às 10h45, com transmissão ao vivo da Rede Bandeirantes.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *