IndyCar: Bruno Junqueira tem mais um dia de aprendizado em Kansas e espera receber bandeirada pela primeira vez no ano em um oval

Mais uma etapa do difícil aprendizado do time Dale Coyne aos circuitos ovais no calendário da Indy Racing League. Assim pode ser encarado, pelo mineiro Bruno Junqueira (Brasil Telecomunicações/Telemont), o GP de Kansas, quarta etapa da temporada da categoria, com largada às 18h (de Brasília) e transmissão ao vivo pela Band e Bandsports. Como em Homestead, os times vindos da ChampCar sofreram com as dificuldades para encontrar um bom acerto para os Dallara Honda, bastante conhecidos das escuderias que já disputavam o campeonato.

Se conseguiu um desempenho considerado satisfatório nos treinos livres, quando chegou a andar entre os 20 primeiros, Bruno não teve a chance de mantê-lo na tomada de tempos e vai largar na 13ª fila. Nessas circunstâncias, o objetivo é seguir acumulando informações sobre o comportamento do carro nesse tipo de pista, ganhar posições ao longo das 200 voltas no traçado de 1,5 milha (2,4 quilômetros) e completar a prova, o que não foi possível em Homestead, na abertura da temporada.


Bruno admite ter mais uma vez chegado ao limite do carro nas atuais circunstâncias e lamenta apenas não ter tido sucesso na estratégia adotada para a tomada de tempos. “Nessa manhã me senti bem mais confortável no carro do que na etapa de Homestead, e sei que a diferença de cinco milhas para os lideres era mesmo tudo o que o carro tinha para dar. Tendo tido um treino bastante razoável, esperava mesmo um melhor desempenho na sessão classificatória, nem tanto em posicões, mas em tempo. Fiz minhas típicas voltas de warm up, sem buscar muita velocidade, para poupar os pneus, e então uma primeira volta boa, com 208.910mph, mas buscando andar numa linha mais baixa, que supostamente seria mais rápida. Meu carro reagiu de forma ruim, saindo de frente, e não tive opção a nao ser desacelerar, e mesmo tendo me recomposto para as duas voltas seguintes, não consegui um bom resultado fina”, comenta.


O time Ganassi mostrou ter o acerto ideal para o circuito ao garantir a pole, com o neozelandês Scott Dixon e a segunda posição, com o inglês Dan Wheldon. O brasileiro melhor colocado no grid é Hélio Castroneves (Penske), oitavo. Vítor Meira (Panther) larga em décimo, logo à frente de Tony Kanaan (Andretti Green). Jaime Câmara (Conquest) sai em 19º e Enrique Bernoldi (Conquest) é o 25º.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *