IndyCar: Desempenho discreto na classificação não surpreende Junqueira

Por mais que o teste feito há três semanas nessa mesma pista tenha permitido acelerar a adaptação e identificar mudanças no acerto do Dallara Honda para ganhar velocidade, a missão já não seria das mais simples. Com 28 carros inscritos e a menor experiência da Dale Coyne com um conjunto de chassi e motor conhecido em cada detalhe por algumas equipes há cinco anos, seria difícil, repetir no oval de Chicagoland, o desempenho que valeu ótimos resultados nos circuitos mistos. Numa pista em que o carro costuma contar mais do que o piloto, qualquer quilômetro por hora a mais pode valer um salto de várias posições.

Para o mineiro Bruno Junqueira (Alcompac/Telemont), o GP de Chicagoland, última etapa da temporada da IRL – o GP da Austrália, em Surfers Paradise, não contará pontos para o campeonato –, o objetivo é passar ileso pelos possíveis acidentes, apostar mais uma vez em uma estratégia diferente de paradas para reabastecimento e troca de pneus e receber a bandeirada em uma boa posição. A prova marca ainda a decisão do campeão: Scott Dixon, que lidera com vantagem de 30 pontos para Hélio Castroneves, larga em segundo, enquanto o brasileiro acabou punido por atravessar a linha branca da pista durante a qualificação e sairá em último.

Bruno chegou a conseguir, no treino livre da manhã, a média de 213 milhas (342.7km/h) mas, na inspeção técnica, uma diferença de medição entre os equipamentos da organização e da equipe fez com que a asa traseira do carro 18 tivesse seu limite reposicionado. Ao ganhar a pista para suas quatro voltas cronometradas, o mineiro não conseguiu repetir o desempenho e garantiu a 25ª posição.

“Nessa manhã tivemos um treino bem mais razoável, mas tivemos que fazer um ajuste de ultima hora, o que provavelmente nos custou essa milha que perdemos. Fiquei um pouco desapontado, mas não realmente frustrado, pois nossa expectativa para essa classificação não era mesmo muito grande. Amanhã acredito que teremos uma das corridas mais difíceis da temporada, estamos todos mais proximos em velocidade e isso deve deixar a prova com um grande pelotão, o que sempre se torna perigoso. O objetivo principal é de terminar a prova e eu ficaria muito contente com um top 10”, afirmou Bruno.

Grid
1 Ryan Briscoe AUS Penske 1min41s4190
2 Scott Dixon NZL Ganassi 1min41s5435
3 Danica Patrick EUA Andretti Green 1min41s5456
4 Tony Kanaan BRA Andretti Green 1min41s6307
5 Marco Andretti EUA Andretti Green 1min41s7743
6 Dan Wheldon ING Ganassi 1min41s8201
7 Tomas Scheckter AFS Luczo Dragon 1min41s8734
8 Vitor Meira BRA Panther 1min41s9012
9 Marty Roth CAN Roth Racing 1min41s9023
10 Will Power AUS KV Racing 1min42s0027
11 Hideki Mutoh JAP Andretti Green 1min42s0687
12 Oriol Servia ESP KV Racing 1min42s0700
13 Ed Carpenter EUA Vision 1min42s3809
14 Graham Rahal EUA Newman Haas Lanigan 1min42s5089
15 AJ Foyt IV EUA Vision 1min42s5272
16 Ryan Hunter-Reay EUA Rahal Letterman 1min42s5536
17 Jaime Câmara BRA Conquest 1min42s5596
18 Sarah Fisher EUA Fisher Racing 1min42s5730
19 Alex Tagliani CAN Conquest 1min42s7883
20 Milka Duno VEN Dreyer & Reinbold 1min42s8298
21 Justin Wilson ING Newman Haas Lanigan 1min42s8798
22 Buddy Rice EUA Dreyer & Reinbold 1min42s9140
23 Darren Manning ING A.J. Foyt 1min43s0477
24 Franck Perera FRA A.J. Foyt 1min43s1841
25 Bruno Junqueira BRA Dale Coyne 1min43s2258
26 Ernesto Viso VEN HVM Racing 1min43s2472
27 Mário Moraes BRA Dale Coyne 1min43s5133
28 Hélio Castroneves BRA Penske desclassificado

* Todos os pilotos com chassis Dallara e motores Honda

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *