IndyCar: Na prova de despedida da ChampCar, Bruno Junqueira recebe primeira bandeirada do ano. Uma era do automobilismo chega ao fim nos EUA

Um fim de semana histórico para o automobilismo mundial dos dois lados do Pacífico. Enquanto no Japão Danica Patrick se tornava a primeira mulher a vencer uma etapa de um campeonato de ponta do esporte motor, em Long Beach, uma história de três décadas chegava ao fim. A 34ª edição do GP na charmosa cidade californiana marcou a despedida da ChampCar, criada em 1979 e que, durante sua trajetória, atraiu vários dos melhores pilotos do planeta.

Para o mineiro Bruno Junqueira (Brasil Telecomunicações/Telemont), que viveu boa parte de sua carreira internacional na série, em que foi três vezes vice-campeão, além de vencer oito provas, os problemas em seu Panoz Cosworth fizeram com que receber a bandeirada pela primeira vez no ano fosse o único motivo de satisfação em um domingo que prometia bem mais. Ele completou as 83 voltas em 12º lugar. O vencedor foi o australiano Will Power (KV Racing), que se aproveitou dos problemas mecânicos com o pole Justin Wilson.


Nas fases iniciais do GP, Bruno aparecia em décimo e era um dos mais rápidos na pista. Com as diferentes estratégias para reabastecimento e troca de pneus, o piloto da Coyne chegou à sétima posição, e acompanhava de perto Nelson Philippe e Mario Dominguez, que vinham imediatamente à sua frente. Depois da primeira parada, Bruno não conseguiu repetir as boas voltas e começou a perder rendimento, ficando impossibilitado de defender posições ou buscar um resultado melhor.


“Infelizmente, me despeço de um Champcar com uma performance decepcionante. Não conseguimos nos encontrar durante todo o final de semana, tivemos um carro ruim de classificalção e ainda mais lento na corrida. Não tive mesmo como ser competitivo hoje, simplesmente por falta de velocidade”, explicou Bruno, ao fim da prova, confiante em confirmar seu potencial nas próximas provas do ano, quando volta a se concentrar na IRL. “Agora mudamos nossa direção 100% novamente para os IndyCar, onde espero que venhamos a ser mais competitivos num futuro bem breve”. Ele aproveitou para agradecer os fãs que o acompanharam em seus oito anos na ChampCar. “Gostaria de fazer um testemunho aqui hoje, de agradecimento a todos os fãs da ChampCar, que durante todos esses anos, como eu, foram leais a categoria, torcendo por nós pilotos, e pela continuação da categoria, obrigado mesmo, valeu muito a pena tudo isso”.


Bruno e os demais pilotos que correram ontem e disputam a íntegra da temporada da IRL voltam agora suas atenções para mais uma corrida em oval, o GP do Kansas, no próximo fim de semana. A expectativa é de que o piloto e a equipe Coyne consigam avançar bastante no acerto do Dallara Honda em relação à abertura da temporada, em Homestead, quando ficou evidente a dificuldade dos times vindos da ChampCar para equilibrar um conjunto conhecido pelas adversárias há cinco anos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *