IndyCar: Scott Dixon vence as 500 Milhas de Indianápolis

O neozelandês Scott Dixon, da Ganassi, venceu neste domingo (25/05), a 92º edição das 500 Milhas de Indianápolis. O brasileiro Vitor Meira, da Panther, foi o 2º, com o norte-americano Marco Andretti, da Andretti-Green, completando os três primeiros.

Saindo da pole-position Dixon manteve a ponta na largada, sendo superado pelo inglês Dan Wheldon, seu parceiro na Ganassi, na volta seguinte.


O retrovisor do carro de Bruno Junqueira caiu na reta principal, provocando a primeira bandeira amarela da prova, na 8º volta. Com vários carros nos boxes, fazendo a primeira troca de pneus e reabastecimento, Junqueira assumiu a liderança, mas por pouco tempo. Com problemas no carro Bruno foi para os boxes da Dale-Coyne, perdendo muitas voltas.


A norte-americana Sarah Fisher, da Sarah Fisher Racing, rodou, permanecendo na prova, e aumentando a duração da bandeira.


Na relargada, Wheldon passou o norte-americano Buddy Rice, da Dreyer & Reinbold, que não havia parado, voltando a primeira posição. Dixon era o 2º seguido pelo brasileiro Tony Kanaan, da Andretti-Green e Castroneves. Algumas voltas depois o sul-africano Tomas Scheckter, da Luczo Dragon Racing, superou Castroneves.


O norte-americano Grahan Rahal, da Newman-Haas-Lanigan, bateu na curva 4 na 36º volta, com os pilotos aproveitando à amarela e fazendo a segunda parada nos boxes. Dixon voltou à liderança.


Nos boxes a coisa esquentou para o norte-americano A.J.Foyt IV, da Vision. Após fazer o seu reabastecimento Foyt saia dos pits, quando o carro começou a pegar fogo, que foi rapidamente controlado pelos mecânicos. A prova recomeçou na 45º volta. Foyt voltou a prova na 53º volta.


Dixon mantinha a ponta, quando o canadense Marty Roth, estreando nas 500 Milhas aos 49 anos, bateu no muro na 56º. Castroneves passou por cima dos destroços do carro canadense avariando a asa dianteira. Com a terceira amarela os pilotos novamente pararam nos boxes.


A relargada aconteceu na 72º volta e duas depois Wheldon passou Dixon. O brasileiro Jaime Câmara, da Conquest, bateu forte no muro na 79º volta, trazendo a amarela pela quarta vez a pista. Doze voltas depois a bandeira verde voltou a prova.


Wheldon passou Dixon, que na volta seguinte perdeu a segunda posição para Kanaan. O carro de Wheldon ficou lento na pista, caindo diversas posições. Tony era o novo líder.


Na 105º volta, Kanaan saiu da curva 2 com perda de rendimento sendo superado por Dixon por fora, e o norte-americano Marco Andretti, parceiro do baiano na Andretti-Green, por dentro. Com a manobra de Marco, Tony pegou sujeira batendo de traseira no muro e na volta se chocando com Fisher, que não tinha nada a ver com a historia e acabou saindo da prova também.


Quando a relargada ia ser dada o norte-americano Jeff Simmons, da A.J.Foyt, bateu na reta principal. Na 117º volta a bandeira verde voltou com Dixon na ponta, seguido por Andretti e Wheldon.


Quatro voltas depois Andretti assumiu a liderança, ao passar Dixon. Meira era o 5º e Castroneves o 9º. Na 132º volta o inglês Justin Wilson, da Newman-Haas-Lanigan, bateu na curva 2. Nova amarela.


O brasileiro Mario Moraes, da Dale-Coyne, de apenas 19 anos, não parou e teve o seu momento de gloria, ao assumir a liderança por sete voltas. Com a prova reiniciada Andretti e Dixon passaram Moraes, que quase bateu no muro.


O inglês Alex Lloyd, da Newman-Haas-Ganassi, provocou a 7º amarela ao bater no muro, rodando e indo parar dentro dos boxes, depois de destruir o radar. A maioria dos pilotos foi para os boxes. O norte-americano Ed Carpenter, da Vision, não parou indo para o primeiro lugar.


Na relargada na 159º volta, Dixon e Meira passaram facilmente Carpenter, com o brasileiro indo para a liderança pouco depois.


A venezuelana Milka Duno, da Dreyer & Reinbold, levou uma fechada do vencedor das 500 Milhas de 1996, o norte-americano Buddy Lazier, da Hemelgarn, na 168º volta, provocando outra amarela. Como de costume os pilotos foram para os boxes. Disputando posição na saída dos pits, o australiano Ryan Briscoe, da Penske, tocou no carro da norte-americana Danica Patrick, da Andretti-Green, que ficou com o carro batido no muro interno dos pits.


Danica foi rebocada para o seu boxe, saindo do carro com cara de poucos, ou nenhum amigo. De capacete, e aplaudida pelo público, ela começou a andar em direção ao carro do rival, também rebocado até o boxe. Era visível que a “mulher-maravilha” iria tirar satisfações com Briscoe, que estava dentro de seu carro. De repente apareceu um segurança enorme, na frente da pequenina Danica. Foi hilário ver o segurança pedindo para a piloto passar para o outro lado muro, o que a muito custo conseguiu. Danica voltou para o seu boxe, e viu Briscoe ser vaiado ao deixar a segurança do cockpit.


Faltando 24 voltas para a bandeirada final a prova recomeçou. Dixon controlou a vantagem sobre Meira, com Andretti passando Castroneves, garantindo a terceira posição. Carpenter terminou em 5º, com o norte-americano Ryan Hunter-Reay, da Rahal-Letterman, sendo o melhor dos oriundos da ChampCar, na 6º posição.


O brasileiro Enrique Bernoldi, da Conquest, fez uma boa prova, sem levar volta, terminando na 15º posição. Moraes foi o 18º colocado e Junqueira, 20º.


Com o curiosidade, o melhor dos que se inscreveram apenas para as 500 Milhas, foi o norte-americano Davey Hamilton, da Vision. O vice-campeão da IRL nas temporadas 1996-1997 e 1998, e que sofreu um gravíssimo acidente no Texas em 2001, passando por 21 cirurgias para reconstruir os pés, terminou na 14º posição.


Dixon lidera o campeonato com 188 pontos. Castroneves é o vice-líder, somando 176. Wheldon, em 3º, tem 156.


A próxima etapa acontece no dia 1º de julho, em Milwaukee.


Final:


1 – Scott Dixon – Ganassi – 200 voltas
2 – Vitor Meira – Panther – 1.7498
3 – Marco Andretti – Andretti Green – 2.3127
4 – Helio Castroneves – Penske – 6.2619
5 – Ed Carpenter – Vision – 6.5505
6 – Ryan Hunter-Reay – Rahal Letterman – 6.9894
7 – Hideki Mutoh – Andretti Green – 7.8768
8 – Buddy Rice – D&R – 8.8798
9 – Darren Manning – Foyt – 9.2019
10 – Townsend Bell – D&R – 9.4567
11 – Oriol Servia – KV – 22.4966
12 – Dan Wheldon – Ganassi – 30.7090
13 – Will Power – KV – 31.6666
14 – Davey Hamilton – Vision – 32.0084
15 – Enrique Bernoldi – Conquest – 32.1075
16 – John Andretti – Roth – 1 volta
17 – Buddy Lazier – Hemelgarn – 5 voltas
18 – Mario Moraes – Dale Coyne – 6 voltas
19 – Milka Duno – Dreyer&Reinbold – 15 voltas
20 – Bruno Junqueira – Dale Coyne – 16 voltas
21 – AJ Foyt IV – Vision – 20 voltas
22 – Danica Patrick – Andretti Green – 29 voltas
23 – Ryan Briscoe – Penske – 29 volta
24 – Tomas Scheckter – Luczo Dragon – 44 voltas
25 – Alex Lloyd – Rahal Letterman/Ganassi – 49 voltas
26 – EJ Viso – HVM – 61 voltas
27 – Justin Wilson – Newman-Haas-Lanigan – 68 voltas
28 – Jeff Simmons – Foyt – 88 voltas
29 – Tony Kanaan – Andretti Green – 95 voltas
30 – Sarah Fisher – Sarah Fisher – 97 voltas
31 – Jaime Camara – Conquest – 121 voltas
32 – Marty Roth – Roth – 141 voltas
33 – Graham Rahal – Newman-Haas-Lanigan – 164 voltas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *