Informações: CBA vai processar secretário especial do Pan 2007

E a novela mexicana em que se tornou a briga entre a Confederação Brasileira de Automobilismo e os promotores dos Jogos Pan-Americanos está longe de um final feliz. Na semana passada, durante audiência pública da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara, realizada no Congresso Nacional, em Brasília (DF), o secretário especial do Pan, Ruy Cezar de Miranda Reis, deu declarações falsas e ofensivas ao trabalho realizado pela entidade máxima do automobilismo brasileiro, segundo a assessoria da CBA.

Diante disso, o presidente da CBA, Paulo Sclagione, informou à imprensa nacional que vai entrar com ações Cível e Criminal contra o secretário especial para o Pan, com o maior âmbito que couber. De acordo com Scaglione, a CBA está tomando esta medida devido ao desrespeito de Miranda Reis sobre a luta da entidade para manter o Autódromo Internacional Nelson Piquet, conhecido como Jacarepaguá, possível de praticar o esporte.

Abaixo, você confere os (vários) motivos que a CBA encontrou para processar o secretário Ruy Cezar Miranda Reis:

Diante da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados, o secretário especial Rio 2007 Ruy Cezar Miranda Reis, já indiciado criminalmente pela Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas, fez declarações falsas e ofensivas à Confederação Brasileira de Automobilismo, razão pela qual será processado pela Entidade.

O presidente da Confederação Brasileira de Automobilismo, Dr. Paulo Enéas Scaglione, tendo em vista as falsas declarações do secretário especial Rio 2007, o já indiciado criminalmente pela Delegacia de Repressão às Ações Criminais Organizadas (Draco) Ruy Cezar Miranda Reis, diante da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados (em Audiência Pública realizada na última quarta-feira, 7 de junho, no Plenário 5 do Anexo II do Congresso Nacional, em Brasília), declara:

1 – Em continuidade à prática de mentir sobre os assuntos relativos aos Jogos Pan-americanos de 2007, o secretário especial indiciado supramencionado ampliou o leque de interlocutores de suas inverdades ao falar, em Brasília, diante dos nobres Deputados Federais presentes à Audiência Pública da Comissão de Turismo e Desporto da Câmara dos Deputados;

2 – Em lugar de aproveitar a oportunidade para esclarecer os reais problemas que cercam a preparação do Pan 2007, o secretário especial indiciado supramencionado novamente desrespeitou o esporte ao dedicar-se a desmerecer a luta desenvolvida pela CBA em defesa do automobilismo e do Autódromo Internacional Nelson Piquet, no Rio de Janeiro, utilizando-se de mentiras diante dos membros da Comissão de Turismo e Desporto, como já o fizera perante o Judiciário;

3 – Diante disso, o presidente da CBA decidiu encaminhar correspondência, com esclarecimentos verdadeiros, a todos os Deputados Federais que fazem parte da Comissão de Turismo e Desporto (presidência, vice-presidências, titulares, suplentes e não-membros presentes à Audiência Pública) já nesta semana;

4 – Na oportunidade, Paulo Scaglione está se colocando a disposição da Comissão para ser ouvido por seus membros Deputados Federais, que dessa forma poderiam estar em contato com as verdades dos fatos e não com as fantasias do secretário especial indiciado supramencionado;

5 – Em complemento, a presidência da CBA está solicitando ao advogado da Entidade, Dr. Felippe Zeraik, que entre com ações Civil e Criminal, no maior âmbito que couber, contra o secretário especial indiciado supramencionado por suas falsas e ofensivas declarações contra a Confederação Brasileira de Automobilismo e os esportistas a ela filiados, por extensão;

6 – Paulo Scaglione esclarece ainda que a Confederação Brasileira de Automobilismo e os pilotos brasileiros não fazem parte do grupo do Comitê Olímpico Brasileiro que se beneficia com verbas vindas do Governo Federal, muito embora nossos atletas tenham a mesma necessidade de patrocínios que os representantes nacionais dos esportes olímpicos;

7 – O presidente da CBA entende que uma auditoria no Comitê Olímpico Brasileiro poderia, eventualmente, melhorar a participação esportiva do Brasil na esfera internacional;

8 – Para o dirigente máximo do automobilismo brasileiro, auditorias deveriam ser constantes e periódicas em organismos dessa natureza, abrindo desde já as contas da Confederação Brasileira de Automobilismo para qualquer auditoria;

9 – A presidência da CBA considera que esse gesto deveria ser seguido por todas as confederações esportivas, independentemente de se beneficiarem ou não de verbas públicas, para o bem do esporte e do País.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *