No Outubro Rosa, Stock Car apoia corrida Go Pink em prol do Hospital do Câncer de Londrina

Outubro é o mês de conscientização para a prevenção ao câncer de mama, e diversas ações são realizadas para levantar a discussão do tema. Apoiadora do Outubro Rosa, a Stock Car desembarca em Londrina com uma semana de antecedência em suporte à terceira edição da Corrida e Caminhada Go Pink, que acontece no dia 14 na cidade do norte paranaense.

A prova, que terá um percurso de quatro quilômetros às margens do Lago Igapó 2, é promovida pelo Hospital do Câncer de Londrina (HCL) e pelo Movimento Outubro Rosa (MOR).

A atividade é uma das principais atrações da campanha na cidade, e terá apoio da Stock Car, que corre na cidade no domingo seguinte, dia 21. Na Go Pink, a principal categoria do automobilismo brasileiro terá um carro da Eurofarma pintado de rosa em alusão à cor do mês de conscientização – e que será o “carro madrinha” da prova.

No autódromo, o carro rosa estará exposto no Village para o público e profissionais do Hospital do Câncer de Londrina estarão presentes realizando o trabalho de entrega de material informativo e tirando dúvidas sobre exames de prevenção e diagnóstico. A categoria também estampa a fita rosa alusiva ao mês de conscientização em seu site oficial e sua foto oficial na página do Facebook está em rosa durante o mês.

Todos os anos, a campanha Outubro Rosa alerta para a importância da atenção à saúde e do diagnóstico precoce do câncer de mama. Isso porque as estatísticas mostram uma realidade preocupante: só no Hospital do Câncer de Londrina, cerca de 40% dos casos de câncer de mama são diagnosticados já nos estágios 3 e 4 da doença, o que reduz a eficácia do tratamento e as chances de cura e sobrevida.

Para combater este cenário é importante que as mulheres conheçam o próprio corpo, façam acompanhamento médico e realizem a mamografia periodicamente, conforme indicação médica.

Conhecer o próprio corpo empodera a mulher e a deixa mais apta a notar qualquer alteração que possa surgir. Mas vale destacar que, apesar de importante, a investigação que a mulher faz nas próprias mamas, em casa não substitui o exame físico feito por um profissional da medicina ou um exame de diagnóstico por imagem, por exemplo.

Por isso, é necessário agir em todas as frentes: analisar o próprio corpo em casa, estar atenta às possíveis alterações e realizar acompanhamento médico e os exames de detecção da forma indicada pelo médico.

É o conjunto dessas atitudes que contribuirá para o diagnóstico precoce em caso de câncer de mama, o que poderá representar um tratamento mais simples e rápido e maiores chances de cura.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *