Papo de Box: Não foi da forma que gostaríamos, mas temos de erguer a cabeça e levar a vida em frente

Um final de semana agitado, última etapa do ano, ânimos a flor da pele… Sexta-feira de chuva em Interlagos, a adrenalina só aumentava pois a previsão dizia que correríamos no seco. O que era para ser marcado por um momento de muita alegria e vibração acabou numa tragédia. Nunca imaginei que meu campeonato pudesse não ser comemorado se caso o ganhasse, mas foi o que ocorreu.

Larguei muito bem indo de sexto para quarto. Logo na segunda volta aproveitando de um erro do Andrezinho, meu principal adversário na luta direta pelo título, consegui ultrapassá-lo na junção subindo pra terceiro, e ele caindo para sexto. A situação parecia estar sob controle, sendo que eu precisava acompanhá-lo, e me encontrava a sua frente. Tivemos então o primeiro safety-car, ocasionado pelo Léo Burti no “S” do Senna. Na relargada, na quarta volta da prova, estava “embaixo” do Rafael Sperafico, e dava pra perceber que eu tinha naquele momento um carro mais competitivo do que ele.

Desci a reta oposta atrás dele e ele de maneira defensiva veio tudo por dentro, acabei perdendo a posição para o Luiz Carreira, e se não bastasse logo na segunda perna do lago, tomei um toque do Thiago Gonçalves na minha roda traseira, me tirando da prova, e ocasionando uma batida muito forte na barreira interna de pneus. O sonho do campeonato parecia ter ido por água abaixo, fiquei muito decepcionado, no entanto sabia da minha vantagem, e mesmo eu estando fora da prova, o Bragantini precisava de um segundo lugar e se encontrava em quinto.

Mas o pior ocorreu, na sexta volta da corrida, após a saída do safety-car para a retirada do meu carro, um acidente muito forte no café. Só vi a bandeira vermelha agitada em toda pista, não sabia quem eram os envolvidos. Depois de uns 20 minutos apareceu um carro do resgate e peguei uma carona, e passei a saber da gravidade do acidente.

Mais tarde a notícia que ninguém queria escutar foi anunciada, já estava no meu box, até então nem queria saber quem seria o campeão com a paralisação da prova, a tristeza foi geral… Uma fatalidade, riscos que sabemos que corremos porém não pensamos quando estamos lá dentro.

Sem clima nenhum para festas, porém um campeonato conquistado ao longo de um ano inteiro de trabalho e muita dedicação. Graças ao trabalho excepcional da minha equipe (A.M.G.Motorsport), ao apoio dos meus patrocinadores (Bardahl/Agecom) e ao grande incentivo da minha família. Tenho certeza que vou colher bons frutos desse título, aos poucos tudo esta fluindo de maneira muito positiva.

Uma semana após o fim da temporada anunciei minha ida para a principal, na equipe do Jorginho de Freitas (Nova RR), como companheiro de equipe do Andrezinho. As expectativas são as melhores possíveis, será um ano de muito aprendizado, sei das dificuldades, e o alto nível de competitividade da maior categoria do Automobilismo Nacional. Mas sei também das minhas qualidades e acredito poder fazer um ano muito bom, estou muito feliz e ansioso para o início do Campeonato 2008!!!

Para mim é uma grande honra estar tendo essa oportunidade, em um ano onde só largam 34 pilotos, vou fazer o melhor pra trazer bons resultados.
Queria aproveitar a oportunidade e desejar um ótimo Natal a todos que acompanham o automobilismo!!! E um excelente 2008!!! Que seja ainda melhor para todos nós, com muita saúde e muita paz!

Um grande abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *