Paulista de Biland Kart: Categoria libera uso de chassis homologados internacionalmente

Seguindo a filosofia de dar liberdade de escolha aos pilotos, a Biland permitirá em suas corridas o uso, em território nacional, de qualquer equipamento homologado pela Federação Internacional de Automobilismo.

O Campeonato Paulista de Biland Kart, que começará sua temporada 2008 na próxima semana (22/3), acaba de introduzir mais uma novidade no kartismo nacional. Única categoria de alto desempenho a adotar motores quatro tempos – menos poluentes e mais modernos que os propulsores dois tempos –, a Biland passou a ser, também, a primeira categoria do país a permitir o uso de qualquer modelo de chassis homologado pela FIA, sem a necessidade de uma re-homologação por nenhuma entidade que regule o esporte a motor nacional.


 


Seguindo a filosofia de dar liberdade de escolha a seus pilotos, as corridas da Biland passarão a aceitar chassis fabricados em qualquer país do mundo, desde que tenham passado previamente pelo crivo da Federação Internacional de Automobilismo. Atualmente, só são aceitos nas competições de kart do Brasil equipamentos aprovados pela Confederação Brasileira de Automobilismo.


 


“Na nossa opinião, a homologação feita pela CBA tem fins meramente arrecadatórios, já que não exige testes que justifiquem a cobrança das taxas impostas atualmente aos fabricantes. Essas taxas e outras exigências para a homologação, que muitas vezes não têm critério algum, chegam a inviabilizar a livre concorrência e prejudicam o desenvolvimento do esporte no país”, declarou Paulo Breim, promotor dos eventos da Biland no Brasil.


 


Na visão do promotor, a homologação internacional de um equipamento elimina a necessidade de outras cobranças, especialmente pelo fato de a FIA ser bastante criteriosa com questões de segurança em eventos de automobilismo. “A segurança deve ser a principal preocupação de qualquer dirigente ou promotor de eventos de automobilismo. E ela também é uma prioridade para a Biland. Por isso, só liberaremos o uso de equipamentos aprovados pela Federação Internacional”, encerrou Breim.


 


O promotor acredita que o livre confronto entre equipamentos nacionais e importados seja, inclusive, benéfico para os fabricantes brasileiros. O sucesso obtido por chassis das marcas Birel e Mini em diversos campeonatos internacionais comprova que os construtores brasileiros estão alinhados com as principais tecnologias do setor, e por isso não serão prejudicados com a abertura de mercado proporcionada pela Biland.


 


“Os chassis brasileiros estão entre os melhores do mundo. O André Nicastro foi Campeão Mundial de Biland usando um chassi Birel, e os karts da Mini estão entre os mais competitivos em campeonatos realizados nos Estados Unidos, por exemplo. Com a livre concorrência, estes fabricantes poderão avaliar melhor seus produtos para o mercado internacional aqui mesmo, correndo no Brasil, e por isso só terão a ganhar com a abertura”, encerrou Paulo Breim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *