Porsche GT3 Cup: Constantino vence prova final sob bandeira amarela em Interlagos

Dia foi marcado pela chuva intermitente em São Paulo.

Mesmo sem disputar a temporada completa, Constantino Júnior encerrou a temporada 2007 do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil da mesma maneira como começou: vencendo. Ganhador da prova de abertura, disputada em março no autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, Constantino venceu nesta quinta-feira (15/11) em Interlagos as provas 15 e 16, que encerraram o campeonato.


A chuva, que já havia marcado presença na prova 15, acabou fazendo com que a prova 16 fosse disputada sob bandeira amarela. Antes da largada, ficou acordado que as primeiras voltas seriam em fila indiana, atrás do Safety Car, para avaliar as condições da pista. Pelo rádio, os pilotos se comunicavam com a direção de prova e com os organizadores da categoria. Todos, sem exceção, relataram a existência de poças e lâminas de água em pelo menos cinco pontos do circuito. A bandeira verde seria acionada tão logo as condições da pista melhorassem, mas a chuva aumentou e a pista ficou ainda mais escorregadia. Sem perspectivas de melhora das condições climáticas, a direção de prova considerou a prova encerrada após 17 minutos (dos 25 inicialmente previstos). Os pilotos receberam pontuação integralmente, já que a prova teve mais de 50% do tempo previsto.


Entre os pilotos, havia unanimidade: não havia condições de disputar a prova com bandeira verde. “Estes carros produzem pouco downforce (pressão aerodinâmica) e isso torna a condução bem mais delicada quando a pista está escorregadia”, explicava Constantino, com a experiência de quem foi vice-campeão sul-americano de Fórmula 3 (1992) e competidor da Fórmula 3000 Internacional (1993). “Havia muitos pontos alagados. A direção de prova acertou ao preservar a integridade dos pilotos”, completou o piloto, que havia vencido a prova 15, também disputada sob chuva mas sem Safety Car. Otávio Mesquita, segundo colocado, reforçou: “Mesmo andando em baixa velocidade, a visibilidade era muito ruim. A direção de prova agiu corretamente”. Ricardo Baptista, campeão da temporada, também concordou com a decisão: “Na primeira corrida, as condições já eram extremamente difíceis. Com o aumento da chuva, ficou ainda pior”.


Os resultados das duas provas confirmaram Clemente Lunardi como vice-campeão da temporada, seguido por Otávio Mesquita, Beto Posses e Marcel Visconde – os quatro pilotos que tinham chances de terminar em segundo lugar. Sérgio Ribas, com uma série de bons desempenhos nas seis corridas finais, completou a temporada em sexto.



O resultado final da prova 16 foi o seguinte:


1) Constantino Júnior, 7 voltas em 16:59.141, média de 106,547 km/h
2) Otávio Mesquita, a 0.709
3) Luís Zattar, a 1.122
4) Ricardo Baptista, a 1.704
5) Sérgio Ribas, a 2.667
6) Beto Posses, a 3.877
7) Walter Salles, a 4.269
8) Tom Valle, a 5.051
9) Clemente Lunardi, a 6.028
10) Marcelo Ometto, a 6.736
11) Guilherme Figueirôa, a 8.268
12) Marcel Visconde, a 9.951
13) Omilton Visconde, a 11.819
14) Maurizio Billi, a 15.068
15) Henry Visconde, a 16.293
16) Danilo Fernandez, a 17.239
17) Marcello Sant’Anna, a 18.297
18) Valter Rossete, a 19.686
19) Antônio Hermann, a 20.571
20) Haroldo Pinto, a 4 voltas
21) Pedro Abreu, não largou


Melhor volta: Clemente Lunardi, 2:14.753, média de 115,117 km/h


 


Classificação final do Porsche GT3 Cup Challenge Brasil após 16 provas (entre parênteses, a pontuação sem o descarte dos dois piores resultados):


1) Ricardo Baptista, 266 pontos (250), campeão antecipado; 2) Clemente Lunardi, 170; 3) Otávio Mesquita, 165; 4) Beto Posses, 154,5; 5) Marcel Visconde, 154,5 (162,5); 6) Sérgio Ribas, 139 (136); 7) Tom Valle, 123; 8) Walter Salles, 119,5; 9) Maurizio Billi, 101 (102); 10) Luís Zattar, 97,5; 11) Constantino Júnior, 90; 12) Marcelo Ometto, 77,5; 13) Haroldo Pinto, 77; 14) Guilherme Figueirôa, 67; 15) Eduardo de Souza Ramos, 66; 16) Antônio Hermann, 61; 17) Marcos Barros, 45; 18) Omilton Visconde Jr., 43,5 (44,5); 19) Henry Visconde, 21; 20) Valter Rossete, 17; 21) Pedro Abreu, 15; 22) Danilo Fernandez, 8; 23) Marcello Sant’Anna, sem pontos.


 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *