Stock: Cacá e Maurício lideram treinos em Interlagos

Polêmico, novo “qualifying” define amanhã primeiro pole da temporada.

O bicampeão Cacá Bueno (RC) e Ricardo Maurício (Medley), vencedor da etapa de abertura do ano passado, comandaram nesta sexta-feira em Interlagos a primeira sessão de treinos oficiais da prova inaugural da Stock Car em 2008. Cacá e Maurício superaram no período da tarde a volta mais rápida estabelecida pela manhã por Daniel Serra (Red Bull Racing). Neste sábado, serão realizadas as três sessões classificatórias que definirão quem sairá na frente na corrida de domingo.

Mais comentado do que compreendido nos últimos dois meses, desde que foi introduzido no regulamento desportivo da categoria, o novo formato de tomadas de tempo da Stock Car será colocado à prova amanhã no autódromo paulistano. O circuito paulistano abrirá a 30ª temporada da mais importante categoria do automobilismo brasileiro em meio à incerteza sobre o acerto na decisão que modificou o sistema de “qualifying” usado nos últimos anos.

Os trinta e quatro carros – limite estabelecido para o campeonato – entrarão na pista para os primeiros 30 minutos. Os 15 mais rápidos passarão para a segunda e os demais formarão o grid do 16º ao 34º lugares. Na segunda, com 20 minutos, avançarão apenas os seis melhores, enquanto os outros se classificarão da 7ª à 15ª colocações. A terceira é onde reside a polêmica. A superclassificação prevê disputas diretas em duas voltas entre 3º x 4º, 2º x 5º e 1º x 6º da fase anterior. A idéia é de uma prova super-rápida, com largada lançada e resultados baseados na soma dos tempos. Os vencedores garantem as três primeiras posições; a ordem de saída dependerá de quem for o mais rápido entre eles.

Os pilotos claramente estão divididos. Maurício se diz contrário à iniciativa. “Não concordo com essa corridinha, porque pode acontecer de todo. Aliás, nem estou certo se realmente haverá uma disputa, já que pode não valer a pena correr o risco. Eu preferia que ficasse como estava ou, se a mudança fosse mesmo necessária, que se adotasse o esquema da Fórmula 1, também em três partes, mas na última todos juntos e sem limite de voltas”, justificou.

Um dos nomes mais experientes da Stock Car, Guto Negrão acredita que o formato precisará ser aprovado na prática. “Toda novidade é bem-vinda e deve ser experimentada. Mas acho que ainda temos de avaliar corretamente os prós e contras. Confesso que ainda não estou convencido de que este modelo está garantido em todo o calendário. Se não funcionar, então é melhor copiar outro que já sabemos que funciona muito bem, como é o caso da Fórmula 1.”

O paraibano Valdeno Brito, único piloto nordestino da categoria, vai na mesma linha de Guto. “Só mesmo depois dos treinos de amanhã é que seremos capazes de emitir uma opinião a respeito. Antes, é apenas especulação. Mas penso que poderá ser algo interessante, porque é provável que os objetivos sejam alcançados. Pode mesmo haver brigas nessa corridinha porque quem vencer sabe que já ganhou três posições”, lembrou.

Melhor estreante do ano passado e vencedor da prova de encerramento em Interlagos, Marcos Gomes admite que os colegas chegaram a ficar apreensivos com o novo formato de definição da pole. “Vamos testar algo nunca visto. O pessoal se assustou, mas aos poucos passou a procurar entender melhor. É algo ainda para ser avaliado, mas pode até dar certo. Como é proibido trancar para manter a posição, será possível tentar a ultrapassagem”, comentou.

Se o novo “qualifying” provoca dúvidas, o aumento da carga e do tempo de utilização do óxido nitroso durante a corrida é unanimidade. Agora, os pilotos poderão usar o nitro por seis vezes em períodos de sete segundos. Cada “apertada” no botão despejará uma potência extra de 60 cavalos aos 450 dos motores da Stock Car – no ano passado, eram três de nove segundos e acréscimo de 35 cavalos. “Agora, sim, vai dar para sentir a diferença. Antes, os pilotos que iam ser ultrapassados percebiam que o piloto que vinha atrás estava usando o nitro e fechava a porta. Agora, com o aumento da potência, talvez não tenha o mesmo tempo de reação”, analisou Maurício. “O nitro agora tem de ser levado em conta na estratégia de corrida, já que não será utilizado apenas no começo ou no fim”, aplaudiu Negrão. “Sessenta cavalos são um ganho e tanto”, concordou Valdeno. O mais entusiasmado, no entanto, é Marcos Gomes. “O nitro vai determinar até o resultado das corridas”, assegurou.

Os tempos de hoje em Interlagos:
1º) Cacá Bueno (ML), 1min40s137, média de 154.91 Km/h
2º) Ricardo Mauricio (P3), 1min40s716
3º) Hoover Orsi (CA), 1min40s748
4º) Nonô Figueiredo (ML), 1min40s760
5º) Allam Khodair (CA), 1min40s844
6º) Popó Bueno (CA), 1min40s858
7º) Daniel Serra (CA), 1min40s873
8º) Duda Pamplona (ML), 1min40s958
9º) Felipe Maluhy (ML), 1min41s036
10º) Ricardo Zonta (P3), 1min41s042
11º) Guto Negrão (CA), 1min41s199
12º) Marcos Gomes (CA), 1min41s203
13º) Carlos Alves (ML), 1min41s277
14º) Thiago Camilo (CA), 1min41s288
15º) Juliano Moro (CA), 1min41s320
16º) Andre Bragantini (P3), 1min41s321
17º) Antonio Pizzonia (P3), 1min41s351
18º) Rodrigo Sperafico (ML), 1min41s352
19º) Atila Abreu (P3), 1min41s380
20º) Valdeno Brito (CA), 1min41s488
21º) Ingo Hoffmann (ML), 1min41s506
22º) William Starostik (P3), 1min41s560
23º) Ricardo Sperafico (P3), 1min41s622
24º) Pedro Gomes (P3), 1min41s653
25º) Antonio Jorge Neto (ML), 1min41s674
26º) Lico Kaesemodel (ML), 1min41s704
27º) Thiago Marques (P3), 1min41s772
28º) Thiago Medeiros (ML), 1min41s868
29º) Norberto Gresse (P3), 1min41s951
30º) Tarso Marques (P3), 1min41s980
31º) David Muffato (P3), 1min42s074
32º) Alceu Feldmann (CA), 1min42s219
33º) Luciano Burti (P3), 1min42s222
34º) Giuliano Losacco (P3), 1min42s296

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *