Stock: Corrida do Milhão terá volta do clima seco

Baixa umidade relativa do ar não afetará os motores, diz engenheiro da Equipe Medley.

Fonte de preocupação para as autoridades médicas, por conta dos problemas respiratórios que a baixa umidade relativa do ar provoca em grande parte da população, o clima seco que vem castigando principalmente as regiões Sudeste e Centro-Oeste não deverá exercer qualquer influência no rendimento dos motores da Stock Car na Corrida do Milhão, neste final de semana em Interlagos. “A partir deste ano, com a introdução da injeção eletrônica, a própria sonda Lambda faz os ajustes necessários na mistura do combustível. Na fase dos carburadores, esse trabalho cabia a nós”, lembra o engenheiro Thiago Meneghel, responsável pelo carro de Xandinho Negrão na Equipe Medley.
A passagem de uma frente fria de fraca intensidade pelo litoral da Região Sudeste nesta segunda-feira baixou as temperaturas na capital paulista e elevou a umidade relativa do ar a 60%, ajudando na dispersão dos poluentes. De acordo com os serviços de meteorologia, no entanto, o tempo seco voltará gradativamente nos próximos dias e derrubará o índice para abaixo de 30%, caracterizando estado de atenção. “Os efeitos incidirão sobre as pessoas, que voltarão a reclamar de incômodos, irritação nos olhos e todos os problemas decorrentes da secura do ar e da poluição”, acrescentou Meneghel. A previsão é de tempo firme em todos os treinos e durante a corrida.
A Equipe Medley ganhou a primeira edição da Corrida do Milhão, realizada em 2008 no Rio de Janeiro e vencida por Valdeno Brito. A exemplo da prova pioneira, que pagou o maior o prêmio em dinheiro já oferecido em uma série nacional (um milhão de dólares ou pouco mais de R$ 1,7 milhão pelo câmbio da época), a organização de Petrópolis (RJ) comandada pelo diretor-técnico Andreas Mattheis se preparou com afinco para uma das datas mais nobres do calendário. “Exercitamos bastante a troca de pneus e o reabastecimento, embora o formato definitivo ainda não tenha sido divulgado pela organização”, disse Meneghel. A corrida no domingo terá 65 minutos de duração, 15 a mais do que as etapas convencionais. As dúvidas dizem respeito ao número obrigatório de pit stops, início e duração da janela de reabastecimento. “Quanto mais levar em conta a possibilidade de estratégia e a rapidez no trabalho dos mecânicos nas paradas, mais se nivelará por cima a competição”, completou.
Além da premiação atraente, a Corrida do Milhão – penúltima das oito corridas da fase seletiva – deverá garantir antecipadamente a passagem de mais alguns pilotos para os playoffs decisivos, eliminar outros e manter as esperanças principalmente daqueles que sonham com as últimas vagas. Com 15 pontos, Xandinho ocupa a 19ª posição e está a 13 de Thiago Camilo (Vogel/Ipiranga), que hoje seria o 10º e último classificado às superfinais.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *