Stock: Em final dramática, Max Wilson leva título da Stock Car

Diego Nunes vence em Curitiba; Xandinho e Campos completam pódio inédito

Com todos os ingredientes dramáticos jorrando junto com a chuva que desceu forte logo após as primeiras voltas sobre o Autódromo Internacional de Curitiba-Pinhais, Max Wilson (RC) conquistou o título da temporada da Stock Car ao superar Cacá Bueno (Red Bull) pela diferença mínima de pontos. Max terminou a 12ª e última etapa apenas em 8º, logo atrás de Cacá, e com o descarte do pior dos últimos quatro resultados chegou aos 265 pontos, apenas um mais que o então campeão. A vitória foi de Diego Nunes (Bassani Racing), que formou com o segundo colocado Xandinho Negrão (Medley) e Júlio Campos (JF Racing) um pódio inédito na categoria.

Foi uma decisão antológica, a mais eletrizante dos 32 anos de história da Stock Car, com direito a reviravoltas na ponta, incontáveis acidentes e três neutralizações do safety car. Apenas quatro pilotos entraram com chances na decisão, mas Alam Khodair (Full Time Sports) e Ricardo Maurício (RM) ficaram pelo caminho depois de se envolverem em acidentes isolados em momentos diferentes da prova – Khodair quando liderava na abertura da segunda volta depois de receber um toque por trás do pole Thiago Camilo (Vogel), excluído desportivamente, e Maurício ao restarem menos de sete minutos, conseqüência de um choque com David Muffato (Itaipava) que encerrou uma participação repleta de outros problemas.

Max esteve a ponto de deixar o título escorregar pelos dedos. A estratégia da equipe no momento em que a chuva apertou não foi a mais acertada, ele voltou atrás do pelotão, fez uma parada extra para limpar o parabrisa e ainda foi obrigado a cumprir uma passagem pelos boxes ao entrar nos boxes para reabastecimento antes da janela regimental. Tenso dentro do cockpit, assistiu à recuperação de Cacá que por pouco não alcançou um resultado surpreendente diante das posições no grid – Max saiu em terceiro e Cacá somente em 11º.

Sem conter o choro ao conduzir o carro de volta para os mecânicos da equipe, Max comemorou o ano especial. “Foi o ano do nascimento do meu primeiro filho e é muito gratificante conquistar este título numa categoria em que outros pilotos que regressaram de uma longa carreira no exterior vêm encontrando tantas dificuldades. É claro que andar de Fórmula 1, como já andei, tem um sabor especial, mas nunca senti uma sensação de felicidade tão grande. É um momento maravilhoso para mim estar aqui no Brasil, fazendo o que adoro que é correr e ao lado da minha família”, disse.

Nunes, em seu ano de estreia na Stock Car, admitiu que a vitória nem passava pela sua cabeça ao alinhar o carro em 22º antes da largada. “Acho que acertamos na estratégia, porque quando botei os pneus de chuva a pista estava apenas úmida. Tive de cuidar muito bem deles para não se desgastarem antes que o asfalto molhasse de vez. Fui para a frente nos boxes e consegui administrar. Espero continuar na Stock Car, mas ainda não tenho nada acertado para o ano que vem.”

Xandinho Negrão fechou o ano com mais um resultado notável, depois de vencer domingo passado a etapa brasileira do FIA GT1. Depois de sair em 17º, ele chegou a cair para último ao escapar da pista na primeira volta. Mas apostou no momento certo para trocar os pneus quando a chuva começou e, a partir de então, foi apenas escalando o pelotão. Passou de quinto para segundo na segunda relargada, no momento em que as condições de tempo eram as piores. “A corrida foi muito difícil. O Campos chegou a me passar, mas consegui recuperar no Bico de Pato. Foi meu melhor resultado na Stock Car em dois anos, a volta da Medley ao pódio depois de dois anos e um enorme incentivo para a próxima temporada”, analisou. Décimo-terceiro na classificação final, Xandinho correrá em 2011 pela Full Time com apoio da Medley tendo Marcos Gomes, quarto neste domingo na capital paranaense, como novo companheiro de equipe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *