Stock: Mecânicos da Officer Motorsport treinaram troca de pneus em plataforma especial

Vestibular interno selecionou equipe para o Pit Stop do Milhão.



Embora a troca de pneus durante a corrida do milhão de dólares, domingo, no Rio de Janeiro, ainda seja apenas uma possibilidade, a equipe Officer Motorsport já se preparou para essa eventualidade. De volta a Petrópolis após a disputa da quinta etapa da temporada, no último dia 2, em São Paulo, os 12 mecânicos do time liderado por Duda Pamplona, o vencedor da prova carioca em 2007, passaram por um treinamento intensivo composto por três fases e que incluiu a construção de uma plataforma especial para avaliar quais operadores melhor se adaptavam às exigências dessa troca de pneus. O treinamento foi desenvolvido por Pamplona e pelo diretor esportivo da equipe, Fábio Gaia, que explica alguns dos critérios envolvidos nesse processo:
 
“Na escolha dos mecânicos que farão o pit stop analisamos o que vimos em outras competições, em particular na Nascar, onde os carros também usam rodas com cinco pontos de fixação e procuramos explorar as melhores possibilidades de cada mecânico em função de critérios de ergonomia.”
 
Os parâmetros de ergonomia considerados levaram em conta detalhes como o fato do mecânico ser destro ou canhoto, a melhor utilização de sua força para manipular a pistola de ar comprimido ou levantar e encaixar o pneu e outros detalhes. Pelo regulamento particular desta prova, a troca de pneus será efetuada no pit lane situado na reta principal e os quatro mecânicos encarregados dessa operação somente poderão atuar no carro após o término do reabastecimento de combustível. Duda Pamplona explica como irão trabalhar os cinco técnicos da Officer Motorsport:
 
“Como já vem acontecendo nas corridas deste ano o Binho está confirmado para fazer o reabastecimento. Para a troca de pneus definimos duas duplas, uma formada pelo Henrique e o Rafael e outro composta pelo Rafinha e o Alex.”
 
Segundo Duda, foram realizadas cerca de 100 operações de troca de pneus na plataforma e no próprio carro para formar essas equipes. Os cinco mecânicos envolvidos nessa operação serão os únicos elementos da equipe que poderão ficar no pit lane da reta principal, escolha que organizadores determinaram por motivos de segurança e para possibilitar um espetáculo extra ao público das arquibancadas. Reparos mecânicos e outras intervenções no carro serão obrigatoriamente realizados nos boxes convencionais, na reta de chegada.
 
Segundo Nonô Figueiredo, que pilota o Mitsubishi Lancer #11, a decisão sobre a troca de pneus deverá ser tomada após uma avaliação programada para o treino de sexta feira e será baseada no desgaste da banda de rodagem em função da temperatura ambiente. Para Figueiredo, se os serviços de meteorologia se mostrarem eficazes, a decisão pode ficar mais fácil:
 
“O asfalto carioca é um dos mais ásperos dos autódromos brasileiros e a temperatura local é normalmente alta. Como a previsão meteorológica é de calor forte, esse desgaste poderá ser ainda maior e, portanto, a troca seria a opção mais segura.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *