Stock: Pilotos aprovam mudanças na pista de Salvador

Alterações no circuito do CAB com alargamento de alguns trechos tornará a prova mais competitiva

A primeira edição do GP Bahia Stock Car, em 2009, foi um sucesso. Mais de 47 mil pessoas compareceram ao circuito de rua montado no Centro Administrativo da Bahia CAB -e puderam acompanhar a primeira prova de rua da história da principal categoria do automobilismo nacional. Cacá Bueno, da Red Bull Racing (Peugeot), foi o vencedor da disputa que premiou a melhor estratégia em uma pista com poucos pontos de ultrapassagem. Para 2010, a situação será outra, já que foram feitas mudanças no traçado de 2,9 km, com o alargamento de alguns trechos que melhorará a dinâmica da etapa e possibilitarão mais ultrapassagens, ou seja, tornando a etapa baiana, marcada para os dias 14 e 15 de agosto, ainda mais competitiva.

Responsáveis pelo show dentro das pistas, com todo o suporte da suas respectivas equipes, os pilotos da Copa Caixa Stock Car aprovaram as alterações no circuito do CAB. Mesmo sem ainda terem andado no circuito, sendo que alguns até farão sua estreia no traçado baiano, o consenso é de que as mudanças chegam para melhorar a prova em aspectos de segurança e emoção, bem como para o público que estará prestigiando a programação.

O líder do campeonato, Átila Abreu, da AMG Motorsport (Chevrolet), gostou das novidades. “As mudanças irão beneficiar o público com mais disputas e ultrapassagens. O alargamento da pista de Salvador em pontos estratégicos com certeza irá permitir uma prova mais emocionante. Estou certo de que o panorama será bem diferente do que o ano passado”, observa o piloto. “Para nós também ajuda, pois permite a quem largar um pouco mais atrás ter chances concretas de se recuperar e ganhar posições durante a corrida. Sem contar que adoramos competição e disputas, então, quanto mais, melhor”, brinca o líder.

O paraibano Valdeno Brito, da Cosan Mobil Super Racing (Chevrolet), acha que as modificações serão benéficas e devem diminuir as bandeiras vermelhas. “As mudanças nas chicanes vão melhorar bastante o circuito, pois elas eram os motivos das bandeiras vermelhas. Estou ansioso para testá-las”, analisa o piloto do carro 77. Nonô Figueiredo, companheiro de equipe de Valdeno, também considera positiva a iniciativa. “As mudanças com certeza poderão contribuir para uma corrida bem disputada. O mais importante é a Vicar junto com a CBA estarem pensando em melhorar a segurança e também em promover uma prova de rua onde as disputas possam acontecer com um dinamismo próximo ao das provas disputadas em autódromos”, considera Nonô.

Julio Campos, da JF Racing (Peugeot), é um dos pilotos que estrearão no CAB, mas também acredita que o alargamento da pista é importante. “Eu não corri ano passado em Salvador, mas com certeza o maior espaço da pista vai ajudar bastante nas ultrapassagens”, enfatiza o paranaense.

Betinho Gresse, da HotCar (Chevrolet), também aprova. “É sempre bom saber que a pista ficará mais larga, porque em um circuito de rua faz bastante diferença e isso proporciona mais segurança e mais chances de ultrapassagem. Vamos ver pessoalmente como ficou mesmo e se vai surtir um bom efeito”, comenta.

O piloto David Muffato, da Crystal Racing Team (Peugeot), faz suas observações sobre a pista. “Eu ainda não vi a pista, mas pelo que ouvi das pessoas que estiveram lá, ela ficou mais larga, o que deve criar mais pontos de ultrapassagem e isso vai ajudar muito na corrida. Em função dessas mudanças, deve ficar também mais rápida, mesmo tendo mais curvas. O ponto onde era a chicane de pneus virou um “S” e vamos contornar em velocidade mais alta. Isso tudo traz muita curiosidade e quero ver como ficou o circuito”, observa o piloto do carro 35.

Thiago Marques, que defende a C. Alves / Mico’s Racing (Peugeot), também gostou. “Tenho certeza que as mudanças virão para melhorar nosso show, ou seja, as curvas que estão sendo adaptadas proporcionarão mais ultrapassagens, que é a grande questão das pistas de rua e são essências, afinal corrida sem ultrapassagens é jogo de futebol sem gol. Será muito positivo não só ao evento, mas também à televisão e o próprio prazer dos pilotos em estar numa corrida que proporciona mais emoção”, diz Thiago.

Já o experiente Ricardo Zonta, da RZ Corinthians Motorsport (Chevrolet), avalia como positivas as mudanças, mas só terá uma opinião definitiva quando andar na pista. “Essas mudanças vão melhorar a qualidade do espetáculo. A segunda vez de uma corrida de rua é sempre melhor. A organização aprende com os erros e aperfeiçoa o que já está bom. Teremos uma pista mais larga, o que pode proporcionar um pouco mais de disputas, e uma chicane já montada, bem diferente do ano passado, quando foi improvisada. Mas só terei opiniões definitivas entre quinta e sexta, depois de andar a pé e treinar com o meu carro”, ressalta o piloto.

Lico Kaesemodel, da RCM Motorsport (Peugeot), acredita em mais emoção. “Acho que essas mudanças vão dar muito mais emoção para uma corrida de rua, que por suas característica, normalmente é monótona. O fato de a pista ficar mais larga, aumenta as chances de ultrapassagem, permite que dois carros fiquem lado a lado, coisa que não aconteceu o ano passado. É um traçado que gostei muito, andei bem. Estou animado”, declara.

Allam Khodair, da Blau Full Time (Peugeot), também opina. “Basicamente é a evolução concretizada da experiência do ano passado.Beneficiando tanto a segurança como as ultrapassagens e o prazer do piloto e do público. É bom para o espetáculo”, analisa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *