Truck: 15 anos depois, recordista da Truck tenta 1ª vitória em Caruaru

A volta dos campeonatos Sul-Americano e Brasileiro de Fórmula Truck a Caruaru tem um significado especial para Wellington Tauney Cirino. Foi no Autódromo Internacional Ayrton Senna, afinal, que o piloto paranaense fez, há 15 anos, sua estreia na categoria. Hoje recordista de títulos e de pole-positions, o piloto da ABF/Mercedes-Benz, que acompanhou toda a história da categoria, faz planos para seguir carreira por mais de uma década.

“Vou parar de correr aos 50 anos e continuar por aqui, trabalhando em alguma equipe. Em nem penso em outra coisa, minha vida é aqui na Fórmula Truck”, revela o piloto da cidade de Francisco Beltrão, hoje aos 36 anos. “Estou na Truck desde quando tinha 20 anos, a categoria fez parte da minha vida, eu adoro caminhões. Aqui, para se dar bem, o piloto precisa gostar de caminhão, de verdade. É um mundo bem diferente”, ele define.

 
De todos os momentos que viveu na Fórmula Truck, Cirino aponta a primeira vitória, na quarta etapa da temporada de 2001 em Curitiba, como mais marcante. “Eu já tinha liderado corrida em Cascavel, com Volvo, e perdi com a quebra da ponta de eixo nas últimas voltas. Em Curitiba, quando faltavam duas voltas, eu não acreditava, achava que não ia dar, a ficha não caía”, recorda o piloto, que soma 21 vitórias e 25 pole-positions na Truck.

O momento mais difícil vivido por Cirino na F-Truck não foi o acidente sofrido nos treinos para a etapa de Londrina de 2005, que lhe causou múltiplas fraturas nas pernas e o deixou fora de ação por meses. “Acidente faz parte da nossa profissão”, justifica, apontando como seu maior drama a morte do criador da categoria, Aurélio Félix, em março de 2008. “Ele fez tudo por mim, levei uns três meses para conseguir reagir ao que aconteceu”, lembra.
 
Campeão em 2001, 2003, 2005 e 2008, sempre pela ABF/Mercedes-Benz, Cirino espera o inédito pentacampeonato já em 2012. “O caminhão novo é bom, muito competitivo. A equipe desenvolveu uma nova suspensão dianteira muito eficiente. Ainda não tenho essa inovação no meu caminhão, mas vou contar com ela nas próximas corridas”, diz o piloto, que disputa a terceira etapa do Campeonato Brasileiro neste domingo (6).

Wellington Cirino planeja uma vitória inédita no circuito caruaruense. “A meta é, sem dúvida, vencer. O caminhão é veloz, vou brigar pela pole. Mais do que nunca, a equipe agora está trabalhando na resistência do equipamento, a ideia é diminuir o risco de quebras”, pondera o piloto, que soma aos 15 anos de atuação na Fórmula Truck a experiência que acumulou no kart e em corridas nos campeonatos de Força Livre e de turismo no Paraná.
 
O tetracampeão vê o traçado de 3.180 metros de Caruaru como de “fácil adaptação”. “É um autódromo bastante técnico, como o do Rio”, observa, relembrando seu desempenho na etapa pernambucana de 2011. “Foi a corrida em que eu tive o meu melhor rendimento de todas as que eu disputei lá. Larguei em terceiro e estava em segundo, brigando com a liderança”, recorda, sobre o problema que o tirou da corrida a oito voltas do término.

O piloto paranaense da ABF/Mercedes-Benz diz não alimentar maiores preocupações diante da liderança de Beto Monteiro, pernambucano que pilota para a Scuderia Iveco, nos dois campeonatos da Fórmula Truck. “O Beto está num momento de auge e tem de aproveitar. Ainda mais em Caruaru, onde ele vai ter a torcida a favor dele. Mas eu não me incomodo com isso, não, acredito na minha equipe e no meu trabalho”, pondera Cirino.
 
O GP Bridgestone-Bandag vale pela terceira etapa do Campeonato Brasileiro de Fórmula Truck e, também, como segunda das quatro corridas que compõem o Sul-Americano. Com largada às 13h, a corrida deste domingo terá transmissão ao vivo em HD pela Band, com narração de Téo José, comentário de Eduardo Homem de Mello e reportagem de Luiz Silvério. Os resultados são disponibilizados em tempo real no site da Cronomap.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *