12 Horas de Tarumã: Raça e superação na corrida para vitória nas 12 Horas de Tarumã


TwitterFacebookWhatsAppGoogle+Pin It

A edição 2012 das 12 Horas de Tarumã foi uma prova de sobrevivência. Com forte calor e muitas quebras, venceu quem conseguiu superar as adversidades na prova encerrada ao meio dia deste domingo (09/12). O quinteto Pierre Ventura, João Cardoso Jr, Felipe Toledo, Cristiano de Almeida e Gustavo Martins, cruzou a linha de chegada de forma heroica, apenas em 4a marcha no MXR número 10.

– Só quero agradecer a todos na equipe que trabalharam com muita dedicação. As coisas nunca são fáceis, são muito disputadas e difíceis. Tivemos sorte de campeão – afirmou emocionado, o piloto João Cardoso Junior.

A equipe superou o trauma de duas edições passadas quando a vitória escapou nos instantes finais e venceu com o total de 467 voltas completadas em Tarumã numa corrida que teve tempo estável durante toda a noite e sol forte no domingo de manhã.

– É difícil de acreditar e ninguém sabe tudo que nós passamos. Tínhamos 22 voltas e meia atrás, mas a gente acreditou. Se em outros anos aconteceu com a gente podia acontecer com os outros também. Corrida aqui é só definida quando dá a bandeirada – vibrou o piloto Pierre Ventura.

O campeão da edição 2012, chegou a liderar durante parte da madrugada. Porém, quando o sol começou a despontar no horizonte, o primeiro posto trocou de dono. O vencedor de 2011 e 2010, protótipo Tubarão, de Tiel de Andrade, Bruno Justo, Pedro Castro e Carlinhos de Andrade, que vinha sempre entre os primeiros colocados, assumiu a liderança. O protótipo vinha em busca do tricampeonato, mas problema no motor impediu que a equipe de Campo Bom continuasse na frente.

O segundo colocado foi o Maseratti 111 de Carlos Belleza, Odilon Menezes, Vilson Junior, Paulo Rutzen e Jeferson Puhl. Em terceiro lugar cruzou o MCR 9 de Renato Kreuz, Ricardo Kreuz, João Kreuz e João Batista.

Como não poderia deixar de ser a cerimônia de abertura das 12 Horas de Tarumã foi carregada de emoção. O recém-inaugurado boxes de Tarumã, recebeu uma placa e ganhou o nome de “Castrinho”, um dos maiores nomes do automobilismo gaúcho, falecido esse ano. A própria edição das 12 Horas, foi batizada de “Prova Luís Alberto Ribeiro de Castro”.

– Hoje é um dia especial porque temos um novo autódromo de Tarumã. Nós tínhamos que homenagear esse espaço que é a casa da velocidade do RS. O “Castrinho” é um exemplo de um piloto que representa isso tudo. É uma homenagem a essa pessoa que nos entusiasmou. Temos que correr, sempre, lembrando a presença dele nos boxes – afirmou o presidente do Automóvel Clube do Rio Grande do Sul, Fernando Poeta.

Assim que os pilotos posicionaram as máquinas na reta de Tarumã, ao clássico estilo Le Mans, o som nas arquibancadas também subiu. O público vibrou com a largada. Na pole position largou o MCR 46 do quarteto João Sant´Anna, Vitor Genz, Giovani Bianchessi e Roger Sandoval. A equipe havia conquistado o recorde de tempo de volta em treino classificatório de 12 Horas com a marca de 58 s 878 milésimos. O favoritismo, porém, desmoronou com um problema mecânico logo na sexta volta. O carro enfrentou problemas no bloco do motor, que apesar do esforço dos mecânicos, impediu o retorno para pista.

Durante a maior parte da madrugada, quem esteve na a liderança foi o protótipo MXR número 10. Um defeito constante na turbina do protótipo, porém, fez o carro perder rendimento o jogando para posições intermediárias.

Um dos favoritos, MRX de Juliano Moro, Paulo Hoerlle, Christian Castro e Matheus Castro parou pelo caminho. O carro 28 do quarteto enfrentou durante toda a noite problemas com o alternador, que afetava o sistema elétrico do carro.

A prova transcorreu sem acidentes com gravidade. O único susto foi proporcionado pela Maseratti 110 que bateu forte na Curva do Laço, no início da manhã.

A programação do fim de semana também teve como atração na tarde de sábado, as duas baterias da Copa Classic, de carros antigos. A vitória em ambas as provas foi do Maverick de Leovaldo Petry.

Classificação da prova:

Pos No Piloto(s) Carro
1 10 P.Ventura/J.Cardoso/F.Toledo/G.Martins/C.Almeida MXR
2 111 C.Belleza/V.Jr/P.Rutzen/O.Menezes/J.Puhl Maserati
3 9 R.Kreuz/R.Kreuz/J.Kreuz/J.Batista MXR
4 3 C.Crestani/F.Mello Maserati
5 122 Halmenschlager´s/R.Bonora/F.Daver Gol
6 12 F.Nose/F.Trennepohl/C.Spagnol Corsa
7 5 G.Andrade/P.Castro/B.Justo/J.Andrade MC Tubarão
8 143 P.Machado/M.Voges/R.Tissot Opala
9 11 A.Diehl/G.Dal’Bosco Gol
10 1 F.Roso/V.Roso/F.Stédile/C.Ricci Tango
11 25 N.Faustini/E.Ferreira/R.Garcia Montana V8
12 19 V.Daudt/F.Poeta/D.Rosa/M.Stumpf/C.Kray Lamborghini Gallardo
13 27 R.Machado/S.Pereira/C.Pereira MP01 Nissan
14 30 R.Dilser/R.Constantino/R.Castro Línea Turbo
15 113 R.Muller/G.Matzenbacher/C.Schwartz Gol
16 51 E.Postal/I.Eberle/T.Junior Logus
17 28 J.Moro/P.Hoerlle/C.Castro/M.Castro MXR
18 77 A.Lima/F.Baretta/R.Tardivo Gol
19 50 A.Cipriani/A.Rossi/E.Azevedo Volvo C30
20 21 L.Cardoso/L.Junior/J.Cardoso/V.Zanbon Gol
21 7 D.Scarton/I.Silveira/C.Ricci Spyder
22 110 J.Migliavacca/N.Migliavacca/S.Cardoso Maserati
23 78 E.Narciso/J.Bastos/H.Ott Stilo
24 96 H.Kohl/M.Veloce/E.Santo/N.Teixeira/R.Xavier MCR
25 4 F.Bertuol/J.Salton/D.Marini MXR
26 18 F.Poeta/G.Bianchesi/R.Sandoval/A.Silveira Ferrari F430
27 31 P.Fontes/M.Prado/J.Fontes Fusca
28 88 Ricardo Terres Gol
29 177 D.Elias/R.Apolo Gol
30 2 Sandro Loff Spyder
31 55 Wagner Santos Chevette
32 22 J.Machado/C.Andrade/V.Steyer BMW M3
33 81 Niltão Amaral Passat
34 913 M.Tercetti/C.Barros/R.Gargiulo Spyder
35 89 R.Stumpf/J.Frigeri/E.Rodrigues Spyder
36 54 Pedro Avila Corsa
37 8 M.Soares/A.Soares Spyder
38 46 J.Santana/V.Genz/G.Bianchessi/R.Sandoval MCR P1
Melhor Volta: J.Moro/P.Hoerlle/C.Castro/M.Castro-I -1 (28), 1:01.171 (média de: 178,84 Km/h) na 165 ª volta

Compartilhar
TwitterFacebookWhatsAppGoogle+Pin It

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *