ChampCar: Junqueira é 3º na Austrália

Que presente poderia ser melhor para a centésima corrida na ChampCar do que, depois de cair para a última posição na largada conquistar, com mais impressionante corrida de recuperação, o terceiro pódio consecutivo na temporada? Pois, para uma ocasião especial, o mineiro Bruno Junqueira (Brasil Telecomunicações/Telemont) voltou a conseguir um desempenho especial, mantendo seu ótimo retrospecto nas ruas de Surfers Paradise. O terceiro lugar no GP da Austrália, penúltima etapa da temporada foi um prêmio a uma prova difícil que exigiu a combinação entre uma pilotagem perfeita e a estratégia correta de paradas nos boxes. Vencedor, o francês Sebastien Bourdais (Newman/Haas/Lanigan) conquistou seu quarto título por antecipação.

Bruno largava da sétima posição mas o motor de seu Panoz/Cosworth morreu e ele precisou contar com a ajuda do time de resgate da categoria para finalmente sair, quando todos os rivais já estavam no meio do circuito. Mesmo com uma desvantagem de 50seg para o líder, Will Power, o representante brasileiro na ChampCar não desanimou e, a exemplo do que fez nas etapas européias da temporada, iniciou sua corrida de recuperação.


Ao contrário da grande maioria dos pilotos, Bruno, assim como Paul Tracy (Forsythe) e Robert Doornbos (Minardi Team USA) optou por não parar na primeira bandeira amarela, na volta 8, saltando para o terceiro lugar e adotando uma seqüência diferente de pitstops. Sua primeira parada ocorreria na 18ª volta, sob bandeira amarela, voltando à pista em 13º. Com os líderes voltando aos boxes, o piloto da Dale Coyne Racing voltou a ganhar terreno e, depois de seu último pitstop, na volta 41, era o sétimo.


Como Nelson Philippe, Alex Tagliani, Justin Wilson e o agora líder Bourdais parariam, Bruno subiu para quarto e começou a pressionar Tracy que, na última volta, ficou sem combustível. Com o metanol também quase no fim, Bruno cruzou a linha em terceiro, fazendo mais uma vez a festa da equipe. Power, que tinha tudo para ser o primeiro australiano a vencer em casa, viu sua corrida arruinada em um toque com o novato mexicano David Martinez (Forsythe) dentro dos boxes. A tentativa de recuperar posições acabou provocando um toque no carro de Katherine Legge.


Ao descer do carro, Bruno resumiu o que foi a prova e a felicidade por mais um ótimo resultado: “com o problema na largada, nossa situação na corrida mudou completamente, eu teria que fazer uma estratégia diferente dos lideres para conseguir me recuperar, então na primeira bandeira amarela não paramos, como fizeram outros 14 carros. Passamos a correr na mesma estratégia que Tracy e Doornbos. Daí para frente sabíamos que nossa maior chance de
alcançar um bom resultado seria economizando combustível para não precisarmos fazer outras duas paradas, e assim, com apenas dois pitstops tentar recuperar posições, mas junto a isso tivemos que andar forte e abrir o máximo de vantagem para os demais pilotos, e eu ainda botando pressão todo o tempo no Tracy. Chegamos ao final da prova no limite de combustível, e para a minha maior felicidade o Tracy não conseguiu a mesma façanha e parou na ultima volta, abrindo para mim a possibilidade de mais um pódio, o que acabou por acontecer, nosso
terceiro pódio em três corridas”
.


O terceiro lugar na centésima corrida na categoria fez com que o piloto da Coyne Racing saltasse da nona para a sétima posição no campeonato, com chance real de terminar o ano em quinto, o que seria o melhor resultado da equipe. “Estou muito contente com o resultado de hoje, novamente uma grande corrida para mim aqui em Surfers Paradise. Subimos duas posições na classificação do campeonato, e agora estou a apenas três pontos da quinta colocação, o que igualaria meu resultado de 2006, ainda com a equipe Newman/Haas, e seria sem duvida uma grande conquista para a equipe Dale Coyne. Vamos agora para a etapa final da temporada, em uma das minhas pistas preferidas, onde tenho um excelente retrospecto, e lá na Cidade do México espero novamente ter um bom desempenho e poder brigar por mais um pódio. O resultado de hoje fez da minha centésima corrida sem duvida ainda mais especial, uma corrida difícil de altos e baixos mas imensamente gratificante no final”. O GP do México encerra a temporada em 11 de novembro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *