ChampCar: Pizzonia e Bernoldi terminam testes nos Estados Unidos

Pizzonia ficou próximo do recorde da pista na sua primeira experiência com o Lola/Cosworth da Rocketsports Racing.

Os primeiros testes dos brasileiros Antonio Pizzonia e Enrique Bernoldi com o Lola/Cosworth de Fórmula Mundial, do projeto Team Brazil, foram encerrados com grande sucesso. No segundo dia (15/3) de experiência em Houston, no Texas, Pizzonia ficou a apenas três décimos de segundo do recorde do MSR (Mercedes-Benz of Sugar Land Road Course), em poder do canadense Paul Tracy, com a marca de 1:11.40. “Os pilotos foram progredindo com consistência a cada entrada na pista. Eles são muito experientes e rápidos. Puxa, vocês trouxeram dois foguetinhos!”, elogiou Phil Howard, chefe da equipe Rocketsports Racing.

Antonio Pizzonia usou o segundo dia para conhecer ainda mais o carro da Fórmula Mundial, e depois de 45 voltas foi obrigado a parar com problema no motor. “Foi mais um dia produtivo e me adaptei ainda mais ao Lola e ao motor turbo. Fiz poucas mudanças no carro para melhorar a minha performance com o set up básico, e o resultado foi muito bom. O motor e os pneus slicks são bem legais”, contou o ex-piloto da Williams F1. “Melhorei bastante, virando em 1:11.7. Pena que no final tive problemas no motor e não usei o segundo jogo de pneus novos, quando poderia ter baixado ainda mais o meu tempo, mas a equipe ficou super empolgada”, comemorou o amazonense.


Enrique Bernoldi também ficou animado após os testes. “Este segundo dia foi melhor. Mexemos bastante no carro e a cada modificação o carro melhorava. À tarde dei uma seqüência grande de voltas e melhorei em 1s8 o meu tempo. Virei em 1:12.10 e ia baixar mais quatro décimos, mas errei um pouco. Faltou mais tempo para aprender a reação do pneu novo e poder aproveita-lo bem”, explicou o ex-piloto de testes da BAR, atual Honda F1. “Fiquei contente, mais familiarizado com o carro, depois de 60 voltas. A maior diferença para o Fórmula 1 é que o volante é mais pesado do que eu estava acostumado. No entanto, trabalhando direito com o engenheiro, sei que posso ser extremamente competitivo aqui, e a atmosfera do time é bem leve”, apontou o paranaense.

O desempenho dos brasileiros foi tão expressivo, que a Rocketsports Racing entrou como sócia do projeto Team Brazil, criado pelos empresários brasileiros Marcelo de Oliveira, Paulo Isper, Fernando Gomes e Renato Lopes – que acompanharam os dois dias de testes -, que visa aumentar a participação brasileira na Champ Car ao mesmo tempo em que divulgará a categoria no Brasil. “A Rocketsports topou entrar com 50% da verba. Falta só conseguir o restante do orçamento para sermos uma realidade”, assegura Fernando Gomes. “O Pizzonia está muito ansioso para correr na Fórmula Mundial e o Enrique também está bastante animado. Eles adoraram o conceito do Team Brazil. E já estamos nos sentindo parte da Fórmula Mundial, graças à oportunidade dada pelo Paul Gentilozzi, dono do time, e da competitividade destes fantásticos pilotos brasileiros”, encerrou o empresário brasileiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *