Conversa de Pista: HORA DE PISAR NO FREIO

NENHUM CIRCUITO EXIGE TANTO DOS FREIOS QUANTO CINGAPURA

por Wagner Gonzalez

Foto: Mercedes-Benz

Foto: Mercedes-Benz

Para trás ficaram as provas europeias: a partir do GP de Cingapura, que se realiza neste fim de semana no pequeno país encravado na costa sul da Malásia, a F-1 inicia uma relativamente curta volta ao mundo para encerrar a temporada. Após a Mercedes ter construído uma vantagem arrasadora no primeiro semestre, Ferrari e Red Bull parecem ter finalmente passado a oferecer carros mais competitivos a seus pilotos. As duas vitórias consecutivas de Charles Leclerc, na Bélgica e na Itália, são alvo de alta expectativa, tal qual um renovado motor Honda instalado no chassi de Max Verstappen. O que dá liga a essa ansiedade é o fato que os 5.063 metros do traçado local formam o circuito mais exigente do ano em termos de desgaste dos freios: a cada volta os pilotos passam um quarto do tempo acionando os freios.

Lewis Hamilton, vencedor em 2018, segue folgado na liderança do campeonato (Mercedes)

De acordo com a Brembo, fabricante que equipa a maioria dos dez chassis usados na categoria, nenhum dos demais 20 circuitos exige tanto, situação que já foi atenuada em 2009, um ano após a primeira edição do GP, em 2013 e em 2015, quando o desenho das curvas 11, 12 e 13 foram ligeiramente atenuados.

As tampas de bueiros e as faixas que coordenam o tráfego diário de veículos no dia a dia de Cingapura também diminuem significativamente a aderência ao asfalto local. Além disso, uma sucessão de retas curtas e curvas de 90 graus impedem o melhor arrefecimento dos discos de freio construídos em carbono.

Para ilustrar melhor as fortes reduções às quais os pilotos e carros são submetidos a cada volta basta citar a aproximação à curva 7, que contorna o parque dedicado às vítimas da Segunda Guerra Mundial. Ali um monoposto chega ao ponto de freada a cerca de 335 km/h e 118 metros adiante está andando 128 km/h. Isso é pouco mais de um terço da velocidade inicial, consequência de 144 kg aplicados ao pedal do freio e uma desaceleração equivalente a 5,4¨vezes a força da gravidade. Outros dois pontos do circuito também caracterizam situações críticas nesse quesito.

Nas demais etapas do campeonato — Abu Dhabi, Baku, Budapeste e Mônaco – exigem que o pedal de freio seja acionado 11 vezes por volta: em Cingapura esse índice sobe para 15. Em termos de tempo isso quer dizer 24 segundos por volta ou 25% do tempo, praticamente o dobro em relação a uma pista como Monza, onde a F-1 se apresentou há dois domingos e que é 730 metros mais longa. Em termos de velocidade média, o autódromo de Milão permite que os carros trafeguem a 243,930 km/h (marca registrada por Charles Leclerc) contra 166,577 km/h obtido por Lewis Hamilton, ganhador em Cingapura 2018.

Charles Leclerc (centro) tenta a terceira vitória consecutiva após ganhar em Monza e em Spa (Ferrari)

Mas não são apenas curvas de quarteirão, bueiros e faixas pintadas no asfalto que determinam essa velocidade média. Com raras áreas de escape, guard-rails próximos à pista e muitas curvas cegas devido às barreiras de proteção, os toques entre carros são mais que esperados e em uma temporada marcada por disputas cada vez mais intensas entre nomes consagrados, em vias e em busca da consagração, este ano eles serão inevitáveis.

Kevin Magnussen (20) tem mais chances de permanecer na equipe Haas que Romain Grosjean (Haas)

Tal cenário vai ajudar sobremaneira a definir a formação de equipes para 2020, o que afeta diretamente Romain Grosjean, Kevin Magnussen e Alexander Albon, para mencionar três nomes em situações diferentes. Grosjean parece destinado a ser desligado da Haas, consequência da alternância irregular de muitos acidentes e poucos bons resultados; Magnussen, da mesma equipe, está em situação de alto risco pelo envolvimento em situações perigosas, muitas delas desnecessárias. Num cenário otimista, Albon torce que o rendimento surpreendente que demonstra em sua primeira temporada na categoria o confirme para continuar ao lado de Max Verstappen.

Faixas pintadas no piso, barreiras próximas à pista e curvas cegas são obstáculos extras no circuito (Mercedes)

Os horários para os treinos e corridas para o GP de Cingapura são os seguintes, sempre pelo horário de Brasília: sexta-feira, treino Livre 1: das 05h30 às 07h00; Treino Livre 2: das 09h30 às 11h00. Sábado, treino Livre 3: das 07h00 às 08h00; classificação: das 10h00 às 11h00. Domingo: largada às 09h10. Após Cingapura o circo da F-1 viaja para a Rússia (Sochi, 29 de setembro), Japão (Suzuka, 13 de outubro), México (Cidade do México, 27 de outubro), Estados Unidos (Austin, 3 de novembro), Brasil (Interlagos, 17 de novembro) e Abu Dhabi (Yas Marina, 1ode dezembro).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *