Entrevista: ‘Começou fria, mas terminou bem’, por Vitor Meira

O SpeedRacing.com.br conversou com exclusividade com o brasileiro Vitor Meira, piloto da Fórmula Indy que em 2007 fará sua segunda temporada pela Equipe Panther, agora melhor estruturada e com um companheiro de equipe.


Meira explicou que o começo com a nova equipe foi muito difícil, uma vez que o time estava fechado até fevereiro, sem muitas expectativas para disputar a temporada 2006. “De Homestead até Indianápolis a coisa ficou um pouco fria, mas depois a gente se aprendeu, começou a vir os resultados e a coisa começou a melhorar”, explicou o piloto a respeito da primeira metade da temporada.

E realmente da sexta etapa da temporada que aconteceu em Watkins Glen até a última em Chicagoland, com excessão da décima etapa onde terminou em décimo quinto lugar devido a um abandono, nas demais nove provas os piores resultados de Meira foram três sexto lugares. Foram três segundo lugares e mais três terceiros.


As vitórias foram detalhes caprichosos do destino que não aconteceram. “O que faltou (para vencer) eu não sei. É muito fácil dizer que faltou sorte, mas na verdade faltou casar tudo, pois eu tive sorte em algumas provas, mas aí o carro não estava tão bom. As pessoas acabam de certa forma cobrando uma vitória, mas parando para analisar a situação que eu estava na Rahal-Letterman (2005) e mesmo aqui na Panther (com um orçamento muito baixo) nós não achamos que batemos na trave, nós ganhamos e conseguimos muitas vitórias dentro da equipe. É assim que se faz a vitória, aprendendo e seguindo em frente”.


Sobre a temporada 2007 onde Vitor Meira terá o japonês Kosuke Matsuura e apóio oficial da Honda, além de um orçamento muito melhor e possibilidade de trocar informações sobre o acerto do carro, o brasiliense mostra-se otimista: “Teoricamente temos vai ser um ano que tem tudo para dar certo, e estamos em busca de concretizar nossos sonhos”.


Além da temporada completa da Fórmula Indy, Meira irá realizar algumas provas do ALMS (American Le Mans Series) em um carro oficial da Honda, prova de que está em perfeita sintonia com os japoneses. Sobre correr no Brasil disse ter muita vontade de fazer uma prova de Stock Car em Brasília, sua terra natal e também em correr as Mil Milhas, uma das provas mais tradicionais do calendário brasileiro de endurance e que em 2007 fará parte do Campeonato Mundial de FIA GT, porém ainda não existe nada certo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *