F1: Análise técnica de Barcelona, por Luiz Razia

A expectativa é por uma prova das mais agitadas da história, por conta dos pneus, Kers e asa móvel (DRS).

Apesar da baixa tradição no automobilismo, a Espanha é um dos locais mais importantes para a F-1 atual. Além de possuir o piloto do momento, Fernando Alonso, o país ibérico detém o circuito mais completo para treinos. O circuito de Barcelona, palco da quinta etapa da temporada 2011, é extremamente requisitado nos testes de inverno por sua posição geográfica e o traçado seletivo.

A história do GP da Espanha está prestes a completar 100 anos. A primeira prova foi disputada no ano de 1913, estreando no Mundial de F-1 no ano de 1951. Sua permanência definitiva se deu em 1968, passando por circuitos como Pedralbes, Montjuich, Jarama e Jerez antes de pousar de vez em Barcelona, no ano de 1991. Esta será a 21ª edição consecutiva no local.

A prova terá um total de 66 voltas no circuito de 4,655 km, o que totaliza um comprimento de corrida de 307,104 km. A expectativa é por uma prova das mais agitadas da história, por conta dos pneus, Kers e asa móvel (DRS). Confira uma análise detalhada da pista localizada na região da Catalunha, feita pelo baiano Luiz Razia, terceiro piloto da Lotus. A análise pode ser vista em vídeo clicando neste link, e pode ser usada livremente para divulgação.

Traçado
“Acho que os pilotos podem andar com os olhos fechados nessa pista. Todo mundo já deu inumeras voltas em Barcelona; é uma pista que todos testaram no inverno, então creio que a maioria já sabe a dificuldade de acertar o equilíbrio do carro pelas curvas que existem na pista: baixa, media e alta velocidade. É dificil achar um carro perfeito para todas as curvas.”

Aerodinamica
“Barcelona é uma das pistas no calendario com mais influência aerodinâmica, pelo fato do ritmo das curvas, que são bem separadas entre direita e esquerda, baixa, media e alta velocidades. Um bom carro em termos aerodinâmicos quer dizer um carro com estabilidade em mudança de direção, freadas e saídas de curvas.”

Freios
“O mais importante em Barcelona é a distribuição de freio entre traseiro e dianteiro; os pilotos precisam ou devem mudar a posição da repartição pelo menos três vezes em cada volta.”

Motor/Câmbio
“O diferencial aqui é sempre importante acertar, pois em curvas de baixa e alta é dificil achar o acerto certo. Os motores nao devem ser um grande problema, já que as equipes têm ainda muitos novos à disposiçao e, nesta temporada, ainda nao vimos nenhuma equipe enfrentar problemas.”

Pneus
“A Pirelli disse que Barcelona vai ser outra historia em relação aos primeiros GPs. Isso é bom, pelo fato de que as equipes só saberão o que fazer no dia da corrida, mas pode virar uma polêmica pelo fato de acontecerem tantas mudanças.”

Uso do Kers e do DRS
“O advento do Kers pode dar ate cerca de 0s345 em Barcelona o que é um ganho muito bom se pensar que a pista tem somente 4.665 metros. E a possibilidade de termos quase 800 metros para o uso do DRS pode fazer deste o GP da Espanha mais disputado de todos os tempos.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *