F1: Análise técnica de Nurburgring, por Luiz Razia

Lendária pista alemã recebe a décima etapa da temporada 2011; confira explicação sobre a pista em vídeo

Próxima parada do circo da F-1, o GP da Alemanha adotou nas últimas temporadas o conceito de sede rotativa. Depois de dois anos competindo em Hockenheim, os 24 pilotos do grid disputam a edição de 2011 no mítico traçado de Nurburgring.

A pista tedesca já chegou a ter 22 km nos tempos românticos, mas ela foi logo deixada de lado após o gravíssimo acidente de Niki Lauda em 1976, um incêndio de grandes proporções que deixou marcas no corpo do hoje tricampeão mundial. No início dos anos 80, a pista adotou o formato que serviu de base para o atual, com 5,148 km.

Além de Hockenheim e Nurburgring, o GP da Alemanha teve uma edição disputada nas ruas de Berlim, em 1959. O maior vencedor da prova é a estrela local Michael Schumacher, com quatro conquistas, uma a mais que Ayrton Senna e Nelson Piquet. Entre os pilotos atuais, Fernando Alonso tem duas vitórias, enquanto Rubens Barrichello, Lewis Hamilton e Mark Webber possuem um êxito cada.

Já o quesito pole positions tem um recorde que não é superado há muito tempo Jim Clark cravou quatro poles, marca igualada por Jacky Ickx. Senna possui três, enquanto Schumacher é o único do grid atual com duas. Hamilton, Webber e Sebastian Vettel partiram da posição de honra uma vez.

Confira uma análise técnica de Nurburgring feita por Luiz Razia, terceiro piloto do Team Lotus, em texto (abaixo) ou em vídeo, clicando aqui.

Aerodinâmica
“Nurburgring é uma pista de media para alta velocidade; o equilibrido entre traseira e dianteria é fundamental para um bom carro. Os pilotos têm uma tarefa importante na pista, ja que ela possui diferentes curvas que exigem diferentes acertos aerodinâmicos para a melhor performance possível.”

Freios
“Esta é uma pista que nao consome muito os freios e que tem um energia baixa em
comparaçao com outras pistas. Não vejo um problema para as equipes usarem os dutos menores para a refrigeração dos freios, ganhando, assim, mais aerodinâmica;”

Motor
“A partir do meio da temporada, os motores começam a ser importante para as equipes, já que elas precisam escolher os melhores para as etapas mais exigentes, e acredito que na Alemanha nao é o caso: as equipes devem usar motores ja precedentes.”

Estrategia
“As equipes têm evoluido muito em estrategias, mas, como vimos em Silverstone, devemos ter duas paradas para as equipes que querem chegar nos pontos e até três paradas para aquelas mais rapidas na pista.”

Kers/DRS
“O Kers tem um grande efeito nesta pista, já que é um traçado que possui bastante elevações. Como existem algunas freadas fortes, não teremos problemas em carregar as baterias. O DRS certamente trará muitas emoções para esta pista, que tem bons pontos de ultrapassagem.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *