F1: Após vazamento, Campos confirma Bruno Senna no time em 2010

A equipe espanhola Campos Meta F1, que vai estrear na Fórmula 1 no ano que vem, confirmou neste sábado, ewm Abu Dhabi, nos Emirados Árabes, que o brasileiro Bruno Senna será um dos seus pilotos em sua temporada de estréia. A informação de que o sobrinho de Ayrton Senna já tinha assinado com o time foi noticiada durante a semana.

“É uma honra para a Campos Meta proporcionar a volta do sobrenome Senna para a Fórmula 1. Acompanhamos Bruno há alguns anos e ele é um dos jovens mais promissores de sua geração”, afirma o diretor Enrique Rodriguez de Castro.

Segundo ele, a velocidade com que Senna chegou à categoria é impressionante. Bruno, de 26 anos, pilotava karts ao lado do tio. Quando Ayrton morreu, em 1994, porém, a família se afastou do esporte. O jovem só voltou a pilotar aos 18 anos. “Nós percebemos como ele desenvolveu rapidamente suas habilidades e velocidade na GP2”, elogiou Castro.

Na sexta-feira, Senna, vice-campeão da GP2 em 2008, já tinha confirmado pelo Twitter, sua contratação, sem citar o time: “Galera, queria agradecê-los pela torcida! Depois de muitas semanas de trabalho e negociações, finalmente conseguimos acertar as coisas. Estou muito contente e quero compartilhar essa alegria com vocês”.

“Agora é hora de trabalhar ainda mais para chegar com a melhor preparação para a próxima temporada! Bastante trabalho pela frente! Abraços a todos, valeu! Eu gostaria de agradecer a Deus, minha família, amigos e a toda torcida de vocês pela força”, continuou.

Bruno recolocará o sobrenome Senna na Fórmula 1 após 16 anos, quando o seu tio Ayrton Senna sofreu um acidente fatal durante o GP de San Marino em Ímola, na temporada de 1994. O sobrinho do tricampeão não vai levar dinheiro para a equipe. Esperava-se que Senna trouxesse valores em torno de R$ 20 milhões em patrocínio para a equipe que o contratasse, mas isso deverá ocorrer com o outro piloto a ser contratado pela equipe Campos. A especulação é que o escolhido deve ser o piloto reserva da McLaren, Pedro de la Rosa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *