F1: Bruno Senna vê Red Bull mais forte do que parece na Malásia

Terceiro piloto da Lotus Renault GP suspeita que equipe campeã esteja “escondendo o leite”

Observador atento de toda a movimentação de equipes e pilotos durante a abertura dos treinos livres do GP da Malásia, Bruno Senna acredita que a superioridade da Red Bull pode ser muito maior do que sugere a leitura dos primeiros números no circuito de Sepang. “A McLaren está bem, mas acredito que a Red Bull esteja escondendo o leite. Quando todos estavam andando com muito combustível, a vantagem deles era muito grande. Se tiverem realmente alguma coisa na manga, será difícil para as outras equipes”, analisou o piloto reserva da Lotus Renault GP.

Bruno disse que, se a sua interpretação dos resultados estiver correta, talvez o clima sempre imprevisível da região possa jogar novos elementos na mesa e embaralhar as cartas. “Chuva aqui é quase sempre uma certeza. Em algum momento do dia ela aparece. Nesse caso, será preciso ver como se comporta cada equipe no molhado”, lembrou o brasileiro, que participou de todas as reuniões técnicas da Lotus Renault GP ao longo da sexta-feira.

Tanto o alemão Nick Heidfeld quanto o russo Vitaly Petrov sofreram problemas na suspensão dianteira durante a primeira sessão e passaram a maior parte do tempo nos boxes da Lotus Renault GP. Os dois completaram uma quilometragem bem abaixo do projetado pela equipe e se atrasaram nos trabalhos de acerto. “Eles andaram muito pouco e ainda não pudemos tirar muitas conclusões. O que eles passaram é que o carro não está ruim, mas precisará melhorar para amanhã”, explicou Bruno.

Bruno disse ainda que as avaliações iniciais indicam desgaste de pneus acima do esperado pela equipe. Na semana passada, com base na experiência da abertura do calendário na Austrália e das condições sempre difíceis de Sepang, onde o forte calor e as características do asfalto aceleram o desgaste dos pneus, Bruno previu que as equipes poderiam fazer pelo menos três paradas na corrida. “Vamos ter de ralar no terceiro treino livre e refinar o carro rápido para a classificação, porque o ritmo de corrida parece satisfatório. Mas temos diminuir o desgaste dos pneus.”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *