F1: Com bico ‘espátula’, Caterham revela design surpreendente do novo carro

Escuderia malaia explora conceito aerodinâmico de forma radical no modelo CT05

De uma coisa nenhum fã pode reclamar sobre a Fórmula 1 desta temporada: de que os carros estão todos iguais. A variedade que tomou conta do design dos modelos, provocada pelo novo regulamento técnico, tem causado alguns sustos em quem encara pela primeira vez as máquinas que estão em Jerez de La Frontera para os primeiros testes de pré-temporada. E um dos bicos mais estranhos, de longe, é o da Caterham, que lançou seu modelo nesta terça, 15 minutos antes das primeiras atividades de pista no circuito espanhol. O nariz proeminente do CT05, que se encontra com o cockpit quase na altura da suspensão dianteira, já foi apelidado de “espátula” por alguns torcedores.

O carro que será guiado neste ano pelo japonês Kamui Kobayashi e pelo estreante sueco Marcus Ericsson é o primeiro do time a ser totalmente projetado e construído no novo Centro Técnico de Leafield, e correrá totalmente pintado de verde. Pelo quarto ano consecutivo, o fornecedor de motores será a Renault, mesma fabricante dos propulsores tetracampeões da RBR. Mark Smith, Diretor Técnico da equipe, explicou a opção pelo bico estranho.

– Procuramos maximizar o desempenho aerodinâmico e mecânico dentro do regulamento. Na parte da frente do carro, a área que obviamente vai provocar mais debates, temos nos concentrado muito esforço na otimização do fluxo de ar em torno do nariz – afirmou o engenheiro.

O modelo já foi para a pista nesta terça-feira em busca de uma melhora significativa de desempenho em relação aos seus quatro primeiros anos na categoria, quando não marcou um ponto sequer e tentou fugir das últimas posições. Após anunciar a contratação de Kobayashi, que corria pela Sauber até o final de 2012, o dono da escuderia, Tony Fernandes, foi direto ao ponto e afirmou que pretende abandonar a F-1 caso seu time não faça progressos em 2014.

Minha mensagem para as 250 pessoas que estão aqui (na sede, em Leafield, Inglaterra), é que nós temos que chegar lá este ano. É isto: essa é a nossa última chance. Nós demos a vocês a melhor infraestrutura, os melhores pilotos em potencial, mas agora é a hora de finalmente vermos o resultado disso tudo. Se continuarmos lá atrás, acho que não vou querer seguir em frente. Nada é definitivo, mas depois de cinco anos e nenhum ponto, há um limite para a sua paciência, dinheiro, motivação etc. Então, este é um ano importante – frisou Fernandes, dirigindo a palavra aos funcionários da equipe.

Fonte: GloboEsporte.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *