F1: Di Grassi critica falta de patrocínios no Brasil

Piloto da Virgin em 2010, o brasileiro Lucas di Grassi perdeu sua vaga para o belga Jerome D’Ambrosio, que levou à equipe um patrocínio de cinco milhões de euros. O paulista de 26 anos afirmou que não conseguiu arrecadar essa quantia com empresas brasileiras.

Di Grassi também ressaltou que se o critério fosse exclusivamente técnico, teria continuado na equipe, uma das suas únicas opções na categoria para 2011. Na base, o brasileiro disputou quatro temporadas seguidas na GP2, conseguindo dois terceiros lugares e um vice-campeonato. Já D’Ambrosio participou de apenas três, não passando do nono lugar.

“É uma pena que a F-1 esteja se submetendo à venda de lugares no grid. O D’Ambrosio chegou com um patrocínio importante, que eu não consegui arrumar no Brasil, e conseguiu a vaga”, lamentou à Rádio Jovem Pan.

No entanto, o brasileiro descartou estar desesperado por um lugar, e não quer repetir a campanha de 2010, quando correu no fundo do grid e não teve oportunidade de mostrar o seu valor. “Com um carro que não dá para disputar pontos, pódios ou vitórias, fica muito difícil mostrar seu trabalho perante o público em geral, e não quero mais passar (por isso). É melhor tentar voltar à F-1 em uma posição mais intermediária”, avaliou.

“Será um ano difícil, de transição, de reestruturação da minha carreira para conseguir voltar à F-1 o mais rápido possível. A F-1 também está passando por um processo de transição, perda de patrocinadores, redução de custos, e o caso do D’Ambrosio na Virgin não é único, aconteceu várias vezes no grid”, finalizou.

Fonte: Gazeta Esportiva.Net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *