F1: Di Grassi também terá atualizações no VR-01

Novas partes aerodinâmicas e mecânicas já deverão representar uma melhora no carro do brasileiro para o GP da Espanha

Depois de quatro provas longe de sua base, Lucas Di Grassi (Clear, Sorocred, Locaweb, Eurobike, Schioppa) se sente “em casa” na primeira corrida da chamada “temporada européia” da Fórmula 1. Neste domingo será disputado o GP da Espanha, quinta etapa do campeonato, no circuito de Montmeló, próximo a Barcelona. O piloto da Virgin Racing comemora a volta ao Velho Continente, especialmente na pista em que mais acumulou quilometragem a bordo de um carro de F1, em seu período como test-driver da equipe Renault e nos treinos de pré-temporada com a Virgin, bem como em suas quatro temporadas disputando a GP2.

Além das condições climáticas variantes durante as quatro primeiras provas do ano (Barein, Austrália, Malásia e China), a Fórmula 1 volta para uma das pistas mais conhecidas por pilotos e equipes. O traçado catalão, inaugurado em 1991, é usado como principal palco dos testes da pré-temporada, por reunir curvas de baixa, alta e média velocidade, bem como uma longa reta dos boxes. Condições que permitem às equipes avaliarem seus carros tanto mecânica como aerodinamicamente, além de servir como alternativa ao inverno europeu, já que na região da Catalunha a estação é menos rigorosa do que, por exemplo, na Itália, Alemanha e Inglaterra, sedes da maioria das equipes do Mundial.

“É bom estar de volta à Europa, especialmente depois do final e início de semana difícil que tivemos na China. O dia da corrida foi duro para nós, porque o carro estava se comportando bem na sexta e no sábado, mas no domingo sofremos com o problema da embreagem e nem pudemos terminar a prova. Aliado a isso, houve toda a questão do caos aéreo causado pelo vulcão na Islândia, o que prejudicou a volta da equipe para a Inglaterra. E como tínhamos pressa para trabalhar nas atualizações dos carros, isso foi o grande fator complicador”, analisou o piloto da Virgin Racing.

“Barcelona é uma pista conhecida pela maioria dos pilotos, e é a primeira da temporada na qual eu já disputei corridas em outras categorias – principalmente na GP2 -, bem como fiz alguns dias de testes com a Virgin durante a pré-temporada. Então, já iniciaremos o final de semana com uma direção pré-estabelecida, porque o VR-01 evoluiu bastante desde o início do campeonato, principalmente na questão da durabilidade”, afirmou Di Grassi.

Upgrades – O caos que fechou o espaço aéreo europeu por causa das cinzas vulcânicas expelidas na Islândia atrasou em cinco dias a volta de pessoal e equipamentos da Virgin para Londres. E o planejamento inicial para as três semanas entre o grande prêmio chinês e o espanhol era trabalhar em um grande pacote de atualizações nos VR-01 de Lucas e de seu companheiro, o alemão Timo Glock.

“O vulcão atrapalhou muito porque enquanto tínhamos um terceiro carro recebendo as atualizações na Inglaterra, os outros dois estavam na China. Por isso só o chassi que já estava na fábrica ficou pronto a tempo, e o segundo teve o processo de construção atrasado em uma semana”, apontou.

“A equipe escolheu o Timo para estrear este upgrade pelo histórico que ele já tem de temporadas anteriores na Fórmula 1. Ele vai ter um tanque maior e mudanças tanto no lado mecânico como aerodinâmico. Estas atualizações ainda não estão 100% testadas, e a experiência dele vai ajudar nisso. Além disso, o carro novo é ainda mais pesado por causa do tanque de combustível, a opção recai sobre ele também pelo fato de ser mais baixo e oito quilos mais leve que eu”, explicou Di Grassi, que mesmo usando a versão anterior, também receberá novas partes no carro número 25.

“Meu carro vai ter algumas coisas novas também, como a asa dianteira e outros componentes mecânicos. Com o tanque ainda menor que o normal, isso deve dificultar um pouco, mas apesar disso, temos capacidade para terminar a corrida se for feito o trabalho adequado”, afirmou Lucas, que só deverá ter o pacote completo de atualizações no VR-01 no GP da Turquia, no dia 30 de maio, após o GP de Monte Carlo.

Por isso, Lucas não demonstra preocupação. “Em Mônaco, na corrida seguinte à da Espanha, não deve ser um problema tão acentuado, pois a corrida é mais curta e a velocidade média é mais baixa, o que acarreta em menor consumo de combustível. E até lá, já teremos dados mais completos sobre o rendimento do novo pacote, pois ele já terá acumulado uma boa quilometragem com o (Timo) Glock”, analisou.

“Estou confiante. Deveremos ser mais competitivos com o pacote novo. E na condição certa, podemos terminar a corrida em uma boa posição. De qualquer forma, trabalhei bastante no simulador assim que voltei do Brasil. Barcelona será um grande desafio, e estou ansioso por isso”, completou.

A programação para o GP da Espanha se inicia nesta sexta-feira (7) com os primeiros treinos livres, que serão transmitidos ao vivo pelo canal SporTV. No sábado (8) e domingo (9), o treino classificatório de definição do grid de largada e a corrida serão mostrados ao vivo pela Rede Globo, ambos a partir das nove horas.

Confira os horários para a etapa de abertura da temporada (horário de Brasília):

SEXTA-FEIRA (07/05)
05h00 – 1º treino livre
09h00 – 2º treino livre

SÁBADO (08/05)
06h00 – 3º treino livre
09h00 – treino classificatório

DOMINGO (09/05)
09h00 – Largada

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *