F1: “É bonito e agressivo”, diz Lucas, sobre o VR-01

Virgin Racing lançou nesta manhã o carro com o qual o brasileiro fará sua temporada de estreia na Fórmula 1.

A Virgin Racing revelou na manhã desta quarta-feira (3) na Inglaterra o VR-01, carro com o qual a equipe fará sua estreia na Fórmula 1 nesta temporada. É o carro que marcará também o debut do piloto brasileiro Lucas Di Grassi (Clear/Eurobike/Locaweb/Schioppa) na categoria top do automobilismo mundial. Criação do diretor técnico Nick Wirth, o carro foi desenvolvido completamente por meio de tecnologia virtual, a CFD (sigla em inglês para Dinâmica de Fluido Computacional, um avançado programa que simula as condições que normalmente são testadas em túnel de vento), inaugurando uma nova tendência na Fórmula 1.
“O design é bem parecido com o das equipes que já estão treinando. Há algumas áreas nas quais deveremos evoluir, mas o projeto todo foi muito bem conduzido. O carro foi feito no CFD, e tem um layout bem agressivo. Em termos visuais, ficou muito bonito”, elogiou Lucas. “Sem dúvida, o conceito geral do carro é positivo. Para uma equipe que construiu um carro destes partindo do zero, é de certa forma incrível chegarmos com o projeto neste estágio”, disse.
“Quando você vê o que as equipes mais estabelecidas conseguiram usando o túnel de vento, não é de surpreender que haja algum ceticismo em relação ao nosso trabalho exclusivo com o CFD. Mas estamos competindo em um esporte que está passando por significativas mudanças para encarar a atual realidade econômica. A necessidade é a mãe da invenção e tenho absoluta crença no que o processo de design digital possa demonstrar que este é o futuro da Fórmula 1”, declarou Nick Wirth, projetista do VR-01 e já conhecido por desenvolver os carros vencedores da Acura na ALMS (American Le Mans Series) usando dos mesmos recursos.
Custos mais baixos e a inauguração do que deverá ser uma nova era na categoria. A do uso da tecnologia para diminuir custos operacionais. Para Di Grassi, há outras vantagens. “É possível desenvolver o carro com mais rapidez e com menos gastos envolvidos. Podemos, por exemplo, testar um novo tipo de asa sem ter que construí-la, colocar no carro ou em um modelo em escala, e experimentá-la na pista ou no túnel de vento. Os dados do computador já mostram qual será a vantagem adquirida com a evolução, e inclusive, a testávamos no próprio simulador da equipe, que é um dos melhores da F1”, destacou Lucas, patrocinado por Clear, Eurobike, Locaweb e Schioppa. “O túnel de vento até oferece uma fidelidade maior, mas para construir e calibrar um túnel de vento leva muito tempo e muitos recursos. E nem sempre o resultado é tão bom”, comentou.
Com a experiência de três anos como piloto de testes da Renault, Lucas acompanhou o projeto da Virgin praticamente desde o início. “Participei passo a passo e, como piloto, tanto eu como o Timo (Glock) pudemos apontar algumas coisas que gostaríamos individualmente no carro. Dei minhas opiniões sobre o volante, por exemplo, do posicionamento de certos comandos, de onde prefiro que estejam, bem como os pedais. Foi um processo muito interessante, ver como um carro de Fórmula 1 é construído a partir do zero”.
A temporada 2010 da Fórmula 1 começa no dia 14 de março, no Bahrein.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *