F1: Ecclestone ameaça tirar F-1 de SP em 2014 se não houver reforma

A cidade de São Paulo pode sair do calendário da Fórmula 1 já 2014 se não realizar este ano a cobrada reforma do Autódromo de Interlagos, que recebe a prova desde 1990. As instalações do circuito paulistano são consideradas antigas para os padrões da categoria e alvo de críticas de pilotos e funcionários de equipe.

De acordo com o chefe da F-1, Bernie Ecclestone, que constantemente cobra a realização de obras de melhorias em Interlagos, São Paulo atualmente não faz parte dos planos do novo calendário da categoria, que pode transferir a etapa nacional do Mundial para o Rio de Janeiro ou Santa Catarina.

“As promessas de reforma de Interlagos não fora cumpridas. Agora, chega. Não fosse a relação antiga e os sentimentos que me ligam ao Brasil, a Fórmula 1 já não estava mais lá”, disse Ecclestone em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo. “O traçado é um dos melhores do mundo, com certeza. Mas a estrutura à disposição das equipes é a pior do calendário. Não é preciso ser como isto aqui [Xangai], mas deve atender às nossas necessidades operacionais”, explicou.

A Prefeitura de São Paulo tem contrato com a Formula One Managemene (FOM), empresa que gerencia a categoria, para a realização da corrida em 2013 e 2014, de forma que, apesar das ameaças, o evento dificilmente será cancelado no próximo ano.

A principal reclamação das equipes de Fórmula 1 sobre o Autódromo de Interlagos diz respeito à área dos boxes e paddock, considerada pequena para a categoria. A Prefeitura de São Paulo tem um plano de reforma do circuito, feito na gestão de Gilberto Kassab e orçado entre R$ 100 milhões e R$ 120 milhões, mas as obras ainda não foram iniciadas.

O plano inclui a construção de novos boxes e paddock na região da Reta Oposta, o que poderia ser feito sem a interdição do Autódromo. Segundo Ecclestone, os times da F-1 reclamariam da falta de salas de reunião e até de espaço para guardar alimentos e panelas em São Paulo.

“Se até antes da definição do calendário não tivermos garantias de o autódromo estar como a F-1 exige, sim”, avaliou Ecclestone, questionado sobre a chance de o País ficar fora do Mundial. “Não vamos sequer usar o tradicional asterisco de ‘sujeito a melhorias no autódromo’. Temos de saber já antes, de São Paulo ou outra cidade do Brasil”, completou.

Caso São Paulo não realize as cobradas reformas em Interlagos, o diretor da Fórmula 1 já trabalha com alternativas dentro do próprio País. A cidade de Penha, em Santa Cataria, tem um projeto para a construção de um autódromo que poderia receber a categoria já em 2015.

Ecclestone visitou o local na temporada passada, poucos dias antes da realização do Grande Prêmio do Brasil e viu a maquete do circuito.

“Acredito que se der o sinal verde eles iniciam imediatamente as obras. E o Rio de Janeiro também me procurou, mas lá seria um pouco mais difícil”.

Fonte: GazetaEsportiva.Net

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *