F1: Em prova movimentada, Kimi Raikkonen vence em Adu Dhabi

O finlandês Kimi Raikkonen (Lotus) venceu neste domingo (04/11), o GP de Abu Dhabi, no Circuito de Yas Marina, 18ª etapa da temporada. Foi a primeira vitória de Raikkonen no ano, e 19ª na categoria. O espanhol Fernando Alonso (Ferrari) e o alemão Sebastian Vettel (Red Bull) completaram o pódio.

Na largada, o pole-position, o inglês Lewis Hamilton (McLaren) manteve a ponta, seguido por Raikkonen, que ultrapassou o australiano Mark Webber (Red Bull) e o venezuelano Pastor Maldonado (Williams) e Alonso, que superou o inglês Jenson Button (McLaren).

No meio do grid, o francês Romain Grosjean (Lotus) e o alemão Nico Rosberg (Mercedes) se tocaram, com o pneu dianteiro direito de Grosjean furando. Ambos foram para os boxes. O brasileiro Bruno Senna (Williams) e o alemão Nico Rosberg (Force India) também se tocaram, com Senna rodando, mas voltando a prova. Hulkenberg abandonou.

Na primeira volta, Alonso passou Webber, pelo quarto lugar. Vettel, que largou dos boxes, devido a uma punição após o treino classificatório, era o 20º. Na 3ª volta, o alemão teve a asa dianteira danificada, ao tentar superar Senna.

Na 9ª volta, o indiano Narain Karthikayan (HRT) vinha à frente de Rosberg, quando com um vazamento de água na direção hidráulica, ficou lento na pista. Rosberg não diminuiu a velocidade e acertou em cheio o indiano, passando por cimado carro, e indo direto para o muro (que feito de soft wall amorteceu o forte impacto). Os dois saíram dos carros ilesos. Com pedaços de carro espalhados, o Safety-Car foi acionado.

Vettel já era o 12º, quando com o SC na pista, o australiano Daniel Ricciardo (Toro Rosso) diminuiu a velocidade a sua frente. Para não bater, o alemão deu uma saída de pista, acertando uma placa de sinalização, danificando de vez a asa dianteira.

Na 14ª volta, Vettel foi para os boxes, trocou os pneus duros pelos macios, colocou uma nova asa dianteira, e caiu para 21º. Na volta seguinte a prova recomeçou, com Hamilton mantendo a ponta.

Vettel, com pneus novos, começou a ganhar posições, chegando a sair da pista ao superar Grosjean. Para não ser punido, o alemão devolveu a posição.

Na 20ª volta, Hamilton ficou lento na pista, e parou o carro ao lado da pista. Raikkonen assumiu a liderança, seguido por Maldonado e Alonso. Usando a Asa Traseira Móvel (DRS), Alonso passou Maldonado na volta seguinte.

Na 23ª volta, Webber tentou passar Maldonado por fora. O venezuelano não tirou o pé e os dói se tocaram. Webber rodou e caiu para 7º.  Uma volta seguinte, Button passou Maldonado pelo 3º lugar.

Na 25ª volta, o mexicano Sérgio Pérez (Sauber) ultrapassou o brasileiro Felipe Massa (Ferrari) indo para 5º. Na seguinte, enquanto Vettel passava o alemão Michael Schumacher (Mercedes), pelo oitavo, Webber, no mesmo lugar e da mesma forma que tentou com Maldonado, foi para cima de Massa. Os dois se tocaram, com Webber escapando da pista e voltando bem na frente de Massa, que para não acertar em cheio a Red Bull, freou e rodou. Como as paradas nos boxes já tinham começado, Massa foi para os pits, trocar os pneus macios pelos duros.

Alonso entrou na 29ª, colocando os pneus duros. Raikkonen parou na 32º, mantendo a ponta no retorno a prova, seguido por Vettel, beneficiado pela parada na 14ª volta. Vettel entrou novamente nos boxes na 38ª volta, para um novo jogo de pneus macios. Voltou em 4º.

Na volta seguinte, Pérez e o escocês Paul di Resta (Force India) se tocaram em disputa por posição. Grosjean, atrás, acabou acertando Pérez, com Webber se envolvendo na confusão. O australiano e o francês abandonaram. Perez e Di Resta foram para os pits.

Com o segundo Safety-Car, Raikkonen era o líder, seguido por Alonso, Button, Vettel, Maldonado, o japonês Kamui Kobayashi (Sauber), Schumacher, Massa, Senna (em ótima recuperação) e o francês Jean-Eric Vergne (Toro Rosso). Com um pneu furado, Schumacher foi para os boxes na 42ª volta.

Na seguinte a prova recomeçou. Na 46ª Pérez cumpriu um stop-and-go de dez segundos, pela batida com Grosjean.

Com pneus macios, Vettel começou a pressionar Button (que tinha os pneus duros) pelo terceiro lugar, conseguindo a ultrapassagem, por fora, na 52ª volta.

Alonso, mais rápido do que Raikkonen; tentava diminuir a desvantagem para um segundo, para poder usar o DRS. O espanhol conseguiu entrar na casa de um segundo, nas voltas finais.

Contudo o finlandês manteve o controle na travada pista de Abu Dhabi, recebendo a bandeirada com 0s8 de vantagem. Vettel completou o pódio.

Foi a primeira vitória de Raikkonen, que no pódio até foi mais alegre do que de costume, desde o GP da Bélgica de 2009, pela Ferrari. O nome Lotus voltou a vencer desde a vitória do brasileiro Ayrton Senna, no GP dos EUA de 1987. Lembrando que a Lotus atual (que nasceu da Renault) não tem nada a ver com a Lotus original (fundada por Colin Chapman e que disputou a F-1 de 1958 a 1994, conquistando 79 vitórias) e o Team Lotus (atual Caterham). Apenas os direitos de uso da marca (que pertence a empresa malaia Proton; foram cedidos para a Genii, que controlava a Renault e rebatizou a equipe).

Tanto que no site oficial da equipe, a matéria sobre a prova cita que a última vitória aconteceu em 2008 (Alonso no GP do Japão). Para a equipe foi a sua 36ª vitória. O nome Lotus conquistou a vitória de número oitenta.

Button foi o 4º, seguido por Maldonado, Kobayashi, Massa, Senna, di Resta e Ricciardo.

Vettel lidera o campeonato com 255 pontos, dez a mais do que Alonso. Agora apenas os dois disputam o título nas duas provas finais.

A próxima etapa, no novo circuito de Austin, nos EUA, no dia 18 de novembro.

Final:

1: Kimi Raikkonen (FIN/Lotus) – 55 voltas em 1h45min58s667
2: Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – a 0s852
3: Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) – a 4s163
4: Jenson Button (ING/McLaren) – a 7s787
5: Pastor Maldonado (VEM/Williams) – a 13s007
6: Kamui Kobayashi (JAP/Sauber) – a 20s076
7: Felipe Massa (BRA/Ferrari) – a 22s896
8: Bruno Senna (BRA/Williams) – a 23s542
9: Paul Di Resta (ESC/Force India) – a 24s160
10: Daniel Ricciardo (AUS/Toro Rosso) – a 27s400
11: Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – a 28s000
12: Jean-Eric Vergne (FRA/Toro Rosso) – a 34s900
13: Heikki Kovalainen (FIN/Caterham) – a 47s700
14: Timo Glock (ALE/Marussia) – a 56s400
15: Sergio Perez (MEX/Sauber) – a 56s700
16: Vitaly Petrov (RUS/Caterham) – a 1min04s500
17: Pedro De la Rosa (ESP/Hispania) – a 1min11s500

Não completaram

Charles Pic (FRA/Marussia)
Romain Grosjean (FRA/Lotus)
Mark Webber (AUS/Red Bull)
Lewis Hamilton (ING/McLaren)
Narain Karthikeyan (IND/Hispania)
Nico Rosberg (ALE/Mercedes)
Nico Hulkenberg (ALE/Force India)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *