F1: Ferrari ordena e Fernando Alonso vence GP da Alemanha

O espanhol Fernando Alonso (Ferrari) venceu neste domingo (25/07), o GP da Alemanha, em Hockenheim, 11ª etapa da temporada. Foi a 2ª vitória de Alonso no ano. O brasileiro Felipe Massa completou a polêmica dobradinha da equipe italiana. O alemão Sebastian Vettel (Red Bull), que largou na pole-position, terminou em 3º.

O espanhol Fernando Alonso (Ferrari) venceu neste domingo (25/07), o GP da Alemanha, em Hockenheim, 11ª etapa da temporada. Foi a 2ª vitória de Alonso no ano. O brasileiro Felipe Massa completou a polêmica dobradinha da equipe italiana. O alemão Sebastian Vettel (Red Bull), que largou na pole-position, terminou em 3º.

Na largada Vettel se concentrou em se defender de Alonso, segundo no grid, espremendo o espanhol no muro. Massa aproveitou e por fora, ultrapassou os dois na primeira curva, assumindo a liderança. Na parte final do grid as duplas da Toro Rosso e da Force India se enroscaram, com o espanhol Jaime Alguersuari acertando a traseira do parceiro, o suíço Sébastien Buemi, que abandonou nos boxes.

Alonso, Massa e Vettel mantiveram as posições nas primeiras voltas, com o alemão sendo o primeiro a entrar nos boxes, na 13ª volta. Na seguinte foi a vez de Alonso, com Massa fazendo a sua parada na 15ª volta. O inglês Jenson Button (McLaren), sem parar nos boxes, assumiu a liderança. Com pneus duros Alonso passou a ser mais rápido do que Massa, colando na traseira do brasileiro.

Na 21ª volta, enquanto o atual Campeão Mundial entrava nos boxes, Alonso tentou ultrapassar Massa, que se defendeu muito bem, provocando a ira do espanhol, que via rádio reclamou “Isso é ridículo”.

Massa voltou a andar mais rápido nas voltas seguintes, abrindo três segundos de vantagem sobre Alonso. A partir da metade da prova Alonso emendou uma sequencia de voltas rápidas, com diferença caindo para menos de um segundo, sem, contudo o bi-campeão conseguir se aproximar o bastante para a ultrapassagem.

Faltando 20 voltas para o final o engenheiro de Massa, Rob Smedley, falou pelo rádio bem pausadamente, para o brasileiro “Fernando é mais rápido do que você”, pedindo a ele a confirmação “entendeu?”. Na 49ª volta Massa mostrou que o recado foi bem entendido, freando na saída do Hairpin, e permitindo a ultrapassagem de Alonso.

Alonso abriu vantagem nas voltas seguintes, com Vettel se aproximando de Massa, mas sem ameaçar.

As emoções finais ficaram por conta da rodada do brasileiro Lucas di Grassi (Virgin) na 52ª volta e o toque entre o espanhol Pedro de La Rosa (Sauber) e o finlandês Heikki Kovalainen (Sauber), na 59ª.  De La Rosa havia feito a sua parada apenas na 51ª volta, e lutava para conquistar o seu primeiro ponto no ano, quando ao colocar um volta em Kovalainen foi fechado pelo piloto da Lotus, tendo que ir aos boxes com a asa dianteira quebrada. Kovalainen, que era o melhor das equipes novatas, abandonou.

Alonso venceu com quatro segundos de vantagem sobre Massa, com Vettel em 3º. Hamilton foi o 4º, seguido por Button. O australiano Mark Webber (Red Bull), numa prova discreta, terminou em 6º, com o polonês Robert Kubica (Renault) na 7ª posição. O alemão Nico Rosberg (Mercedes) foi o 8º, mais uma vez a frente do companheiro e compatriota Michael Schumacher. O russo Vitaly Petrov (Renault) fechou a zona de pontos.

O brasileiro Rubens Barrichello (Williams), depois de largar em 8º, não fez uma boa prova, terminando na 12ª posição. O brasileiro Bruno Senna (Hispania), retornando após ficar de fora do GP da Inglaterra, terminou em 19º lugar, com quatro voltas de atraso.  Senna teve um pneu furado na metade da prova, tendo que fazer um pit stop extra.

No pódio Alonso ainda tentou comemorar, com Massa (um ano depois do terrível acidente nos treinos para o GP da Hungria) recebendo o troféu de segundo colocado com a cara fechada.

O tri-campeão Niki Lauda, presente ao autódromo, simplesmente declarou “Vergonha”. O austríaco venceu dois campeonatos, 1975 e 1977, pela Ferrari.

Na coletiva de imprensa após a prova Massa, mesmo visivelmente contrariado, evitou polêmica. “Não preciso dizer nada sobre isso”, afirmou o piloto.

Massa lembrou que a dobradinha foi boa para a equipe. “Fiz uma largada fantástica e também uma primeira metade de corrida boa, com pneus moles. Depois, com os duros, sofri um pouco. Foi um ótimo resultado para a equipe, olhando o quanto a gente sofreu este ano. Lógico que era melhor ter vencido, mas não deu e eu sempre trabalho como profissional”, comentou.

Dirigentes da Ferrari foram chamados para dar explicações aos comissários da prova, sobre o ocorrido, pois o jogo de equipe está banido da F-1. Oficialmente a Ferrari declarou que não ordenou a troca de posições, e que a ultrapassagem era necessária para garantir a dobradinha da equipe. O que pelo histórico da equipe é duvidoso, vide o GP da Áustria de 2002, quando Barrichello, a mando da equipe, abriu passagem para Schumacher na linha de chegada.

O Conselho Mundial de Esporte Motor (WMSC, na sigla em inglês) multou a Ferrari em $100,000, por quebrar o artigo 39.1, que bane as ordens de equipe, e o 151c, que diz respeito a trazer má reputação ao esporte.  A escuderia de Maranello ainda será julgada pelo Conselho Mundial, onde os dois pilotos podem ser desclassificados e a equipe receber uma sanção maior.

Alheio a tudo Hamilton lidera o campeonato com 157 pontos, 14 a mais do que Button. A dupla da Red Bull, empatada com 136 pontos, divide a 3ª posição. Alonso é o 4º com 123. Massa com 85 é o apenas o 8º.

A próxima etapa, o GP da Hungria, em Hungaroring, acontece no domingo (01/08).

Final:

1º Fernando Alonso (ESP/Ferrari) – 67 voltas
2º Felipe Massa (BRA/Ferrari) – a 4s1
3º Sebastian Vettel (ALE/Red Bull) – a 5s1
4º Lewis Hamilton (ING/McLaren) – a 26s8
5º Jenson Button (ING/McLaren) – a 29s4
6º Mark Webber (AUS/Red Bull) – a 43s6
7º Robert Kubica (POL/Renault) – a uma volta
8º Nico Rosberg (ALE/Mercedes) – a uma volta
9º Michael Schumacher (ALE/Mercedes) – a uma volta
10º Vitaly Petrov (RUS/Renault) – a uma volta
11º Kamui Kobayashi (JAP/Sauber) – a uma volta
12º Rubens Barrichello (BRA/Williams) – a uma volta
13º Nico Hulkenberg (ALE/Williams) – a uma volta
14º Pedro de la Rosa (ESP/Sauber) – a uma volta
15º Jaime Alguersuari (ESP/Toro Rosso) – a uma volta
16º Vitantonio Liuzzi (ITA/Force India) – a duas voltas
17º Adrian Sutil (ALE/Force India) – a duas voltas
18º Timo Glock (ALE/Virgin) – a três voltas
19º Bruno Senna (BRA/Hispania) – a três voltas

Abandonaram

Heikki Kovalainen (FIN/Lotus) 58 voltas
Lucas Di Grassi (BRA/Virgin) 51 voltas
Sakon Yamamoto (JAP/Hispania) 20 voltas
Jarno Trulli (ITA/Lotus) 4 voltas
Sebastien Buemi (SUI/Toro Rosso) 2 voltas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *