F1: Mudanças em 2014. De ‘ponto na carteira’ a fim do degrau nos bicos

Federação Internacional de Automobilismo anuncia diversas mudanças nos regulamentos técnico e desportivo da categoria para a próxima temporada

A Federação Internacional de Automobilismo divulgou diversas mudanças nos regulamentos técnicos e esportivos da Fórmula 1 para a temporada 2014. O anúncio foi feito na sexta-feira (28/06) após a segunda reunião do ano do Conselho Mundial da FIA. Dentre as principais alterações estão: o fim do famoso degrau no bico, responsável por um impacto visual negativo que causou estranheza entre os fãs da categoria (neste ano, o desnível pode ser camuflado com uma placa); a volta dos testes durante a temporada; e um sistema de penalização com base em acúmulo de “pontos na carteira”, onde um piloto é automaticamente suspenso de uma prova ao atingir determinada quantidade de pontos em razão de infrações. Além disso, diversas medidas foram tomadas para ajudar na introdução dos novos motores V6 turbo 1.6 litro, que substituem os atuais V8 aspirados 2.4 litros.

Confira o resultado da reunião realizada na Goodwood House, casa de 300 anos de história que abriga os Duques de Richmond, localizada a 200 km do circuito de Silverstone, palco do GP da Inglaterra.

Resumo das alterações no Regulamento Desportivo da Fórmula 1 em 2014:

– Um sistema de penalização por pontos será introduzido. Caso um piloto acumule mais de 12 pontos, ele será automaticamente suspenso da próxima corrida. Os pontos ficarão na licença do piloto por 12 meses. A quantidade de pontos que um piloto receberá por infrações vai variar de um a três, dependendo da gravidade do incidente.

– Será adotada a chance de um piloto devolver uma vantagem que pode ter ganhado por sair da pista.

– Foi imposta uma redução significativa na quantidade de testes em túnel de vento e trabalho de CFD (análise computadorizada da dinâmica do fluido de ar) para ajudar na redução de custos. Será permitido que duas equipes compartilhem o mesmo túnel de vento.

– Quatro sessões de dois dias de testes durante a temporada serão permitidas, no lugar dos atuais oito dias de testes promocionais e dos três dias de testes para jovens pilotos. As sessões serão realizadas em pistas na Europa, nas terças e quartas após corridas, para garantir que serão necessários recursos mínimos adicionais.

– Serão permitidos testes em janeiro de 2014, com o objetivo de avaliar mais cedo os novos tipos de motores.

– Por um pedido da Mercedes, será permitido que uma montadora forneça motores para um máximo de quatro equipes.

– Cada piloto poderá usar um máximo de cinco motores durante toda a temporada (atualmente são oito). Em caso do uso de motor adicional, o piloto terá que largar do pit lane. Alterações nos motores permitidos resultarão em uma punição de 10 posições no grid.

– Nenhuma fabricante poderá homologar mais de um tipo de motor durante o “período de homologação” de 2014 a 2020. Alterações na homologação só serão permitidas por questões de instalação, confiabilidade ou redução de custos.

– Por questões de segurança, todos os membros da equipe que trabalham em um carro durante um pit stop precisarão usar protetores de ouvido.

– Nas primeiras sessões de treinos livres de sexta-feira, cada piloto terá direito a um jogo extra de pneus para incentivar as equipes a irem para a pista neste momento, sem se preocupar com a quantidade de pneus disponíveis para o fim de semana.

– Cada piloto deverá usar a mesma caixa de câmbio por seis corridas consecutivas, ao contrário das cinco provas atuais.

– Nenhum carro poderá usar mais de 100kg de combustível para a corrida, do momento da largada até a bandeira quadriculada. O controle será feito pelo medidor de fluxo de combustível aprovado pela FIA.

– O limite de velocidade no pit lane, atualmente 60 km/h em treinos livres e 100 km/h em treinos classificatórios e corridas (60km/h na Austrália, Mônaco e Cingapura), foi fixado em 80 km/h em todos os eventos (exceto os três mencionados, que seguem como 60km/h). Isto se dá por questões de segurança, já que a maioria dos acidentes acontece durante a corrida, quando o limite de velocidade é mais alto. Além disso, os pilotos tinham poucas chances de parada nos boxes vindo a 100km/h.

Resumo das alterações no Regulamento Técnico da Fórmula 1 em 2014:

– Medidas foram postas em prática para garantir que os carros não precisem incorporar um degrau no bico. As mudanças também garantirão que o bico seguirá baixo, por razões de segurança (em casos de batidas em forma de T – quando a frente de um carro atinge a lateral de outro).

– O peso mínimo dos carros será aumentado em 5kg, já que os novos motores provavelmente pesarão mais do que o inicialmente esperado. A distribuição de peso dos carros também foi alterada.

– Será permitido o controle eletrônico do freio traseiro, a fim de assegurar a travagem de forma consistente enquanto a energia está sendo recuperada.

– Para garantir que as estruturas de impacto laterais serão eficientes em caso de colisão oblíqua, haverá itens padrões feitos a partir de um processo de fabricação estritamente estabelecido e fixado nos carros de forma idêntica. Os atuais testes de impacto serão substituídos por testes estáticos de carga e testes de compressão. Isso ajudará a reduzir custos, já que os times não terão a necessidade de desenvolver suas próprias estruturas.

– A fim de assegurar de cockpit localizadas na lateral da cabeça dos pilotos sejam mais fortes, a quantidade de deflexão durante os testes de carga estática serão reduzidos de 20mm para 5mm.

Fonte: GLOBOESPORTE.COM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *